terça-feira, 29 de setembro de 2015

Programa Livro e Escritor 2015, do SESC Tijuca, na E. M. Friedenreich.

Foi ótimo! Falei com 300 crianças bonitas e inteligentes. Quero mais!













Entrevista para o Livro Aberto

Pequena entrevista que dei para o blog do Livro Aberto.

Viva a leitura!

AEILIJ no Livro Aberto!

Alexandre de Castro Gomes é presidente da AEILIJ (Associação de Autores e Ilustradores de Literatura Infantil e Juvenil) e estará no Livro Aberto no próximo sábado, 3/10, para a mediação de uma mesa-redonda. Ele adora a Festa Literária da EDEM, onde já esteve outras vezes.

- Acho incrível. O ideal seria que todas as escolas promovessem eventos como esse para aproximar os pequenos leitores dos autores. Aproximar o autor do leitor incentiva a leitura. O leitor apura o senso crítico; o leitor indaga; o leitor busca soluções. A leitura auxilia na preparação da vida adulta, por isso é muito importante conquistar o primeiro leitor com conflitos deliciosos e criativos - diz ele.

Na Festa Literária, Alexandre vai fazer a mediação de uma mesa-redonda muito legal sobre livros que tem o Rio de Janeiro como pano de fundo. 

- Estarão comigo quatro escritores que admiro: meus amigos da AEILIJ Sandra Pina e Luis Eduardo Matta e os igualmente talentosos César Cardoso e Henrique Rodrigues. Já viajei com os dois primeiros e fui parceiro dos dois últimos em uma coleção de livros com temática ecológica. O tempo será curto para tanto papo bom!

Para o escritor, é muito importante ter associados da AEILIJ em um evento como o Livro Aberto:

- Além de ser importante, acho necessário. A nossa carta de princípios tem, entre seus objetivos, ampliar o alcance, a exposição e a divulgação do Livro Infantil e Juvenil, além de gerar e participar de campanhas e ações pelo incentivo à leitura. É isso que nos leva a participar de eventos como o Livro Aberto, com um sorrisão no rosto!

Fonte:
http://livroabertoedem.blogspot.com.br/2015/09/aeilij-no-livro-aberto.html


segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Série Toda Prosa da Editora do Brasil


A série Toda Prosa da Editora do Brasil tem 10 livros voltados para o público juvenil e a história do Benito Folgaça, ilustrada pelo Samuel Casal, está lá entre eles. 

A coleção reúne dez obras de alta qualidade literária e gráfica e traz narrativas que oferecem diversas possibilidades de trabalho em sala de aula: de rodas de conversa descontraídas a debates mais profundos.

Segue o link com o catálogo:
https://issuu.com/editoradobrasil/docs/toda_a_prosa/1?e=0




Encontros Folclóricos de Benito Folgaça

Editora: Editora do Brasil
Categoria: Juvenil
ISBN: 978-85-10-06020-2
1ª edição: 2015
Encadernação: Brochura
Formato: 14 x 20 | 96 páginas
Ilustrações: Samuel Casal

Benito Folgaça é um sujeito de muito azar (ou de muita sorte, depende do ponto de vista). Imagine que a sina dele é ter de encarar criaturas horrendas, misteriosas e muito perigosas, que inevitavelmente topam com ele pelos caminhos da vida. Em cada lugar, uma história; em cada encontro, um ser muito macabro do nosso folclore.
Para se juntar a Benito nessa aventura, é preciso ter sangue frio e ser muito corajoso, pois quando menos esperar, você pode se deparar com algo te sufocando, arrancando sua língua ou chupando seu cérebro... Mas será que tudo isso não passa de invenção ou esses encontros folclóricos realmente aconteceram? Na dúvida, é melhor não abusar.

quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Telemarketing muito vivo - crônica

Estava enrolado nos meus afazeres, esperando o computador cansado responder a um comando que fiz há anos atrás, quando o telefone toca.

Era a Vivo. Queriam me oferecer um benefício, pois sou um cara genial, um rei entre os homens e coisa e tal.

- É telemarketing? Não tenho dinheiro pra dar.
- Não precisa de dinheiro. É um benefício que queremos oferecer. 
- E o que seria? - respondi enquanto tentava desemperrar o notebook. 
- A oportunidade de ganhar 900 reais caso sofra um acidente e não possa pagar a conta de telefone.
- Como é que é?
- Se o senhor ficar impossibilitado de pagar a conta do telefone por motivo de doença ou acidente, a Vivo depositará 900 reais de crédito na sua conta e...
- Vocês querem me oferecer um seguro?
- Não é um seguro. É um benefício.
- Um benefício que é um seguro de acidentes.
- Bem, é isso mesmo.
- Que só servirá para pagar a conta de telefone da Vivo, caso eu sofra um acidente?
- É. Mas o senhor não terá de se preocupar...
- E quanto isso vai me custar?
- Estaremos descontando o módico valor de catorze reais por mês de sua fatura...
- Meu bem (o "meu bem" aqui não é carinhoso), você tinha me dito que não precisava de dinheiro, não é?
- São só catorze reais por mês, senhor.
- Quatorze reais para a Vivo não ficar sem receber sua graninha. Na verdade é um seguro para a Vivo. Só que quem paga somos nós. É um pagamento adiantado.
- Não, senhor. É um benefício que a Vivo oferece para os clientes mais...
- Não estou interessado. Passar bem.

Telefone desligado. Reinicio o computador pra ver se ele acorda.

No quarto ao lado os acordes de uma guitarra.

terça-feira, 22 de setembro de 2015

Benito chegou!

Um Saci me contou que chegou um livro novo na praça! Uhu!

Benito Folgaça é um sujeito de muito azar (ou de muita sorte, depende do ponto de vista). Imagine que a sina dele é ter de encarar criaturas horrendas, misteriosas e muito perigosas, que inevitavelmente topam com ele pelos caminhos da vida. Em cada lugar, uma história; em cada encontro, um ser muito macabro do nosso folclore.

Para se juntar a Benito nessa aventura, é preciso ter sangue frio e ser muito corajoso, pois quando menos esperar, você pode se deparar com algo te sufocando, arrancando sua língua ou chupando seu cérebro... Mas será que tudo isso não passa de invenção ou esses encontros folclóricos realmente aconteceram? Na dúvida, é melhor não abusar.

O Saci me disse também que nem ele, nem o Lobisomem, nem o Curupira, nem o Negrinho do Pastoreio, nem a Iara e nem a Mula sem cabeça estão no livro. Só a turma menos conhecida do folclore nacional.

As ilustrações são do Samuel Casal. A publicação faz parte da coleção Toda Prosa da Editora do Brasil.
\o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/

sexta-feira, 18 de setembro de 2015

Romário e "O Lanterna"

Soube que o Romario gostou de "O Lanterna", meu livro em braille com o JP Veiga que saiu pela Fundação Dorina Nowill para Cegos.

Muito maneiro!


Filme do XVII Discussões AEILIJ: Redução da maioridade penal, e nós com isso?

Fotos do XVII Discussões AEILIJ: Redução da maioridade penal, e nós com isso?

Evento organizado pela AEILIJ, associação da qual estou presidente, realizado no dia 17 de setembro no auditório da editora Rovelle.

Debatedores:
Simone Monteiro, pedagoga e Diretora do Departamento de Mídia-Educação da Secretaria Municipal de Educação da Cidade do Rio de Janeiro;
Desembargador Siro Darlan de Oliviera;
Jô Ventura, arte-educador social da ONG Se Essa Rua Fosse Minha;
Juíz Leonardo de Castro Gomes, titular da 17ª Vara Cívil e membro do Centro de Estudos e Debates do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro.
Mediação: Rosa Amanda Strausz, renomada autora, cuja abordagem do tema da infância em risco lhe rendeu diversos prêmios literários.

Fotos: Patrícia, Thais, Cris e Alex.
















segunda-feira, 14 de setembro de 2015

300 autógrafos para o SESC Tijuca

Autógrafos em 300 exemplares do "Folclore de Chuteiras" (ilustras do Rodrigo Visca - Editora Peirópolis) para a galera esperta do SESC Tijuca.


AGE e D!scussões AEILIJ: Redução da maioridade penal, e nós com isso?

O próximo D!scussões AEILIJ está imperdível. A entrada é franca! Quer melhor do que isso?

https://www.facebook.com/events/997611056956277/997628443621205/


17 DE SETEMBRO
No Auditório da Editora Rovelle
Rua Sacadura Cabral 144 – Centro - Rio de Janeiro.

16h | Assembléia Geral Extraordinária para a aprovação do novo estatuto da AEILIJ. Todos os associados estão convocados para comparecer.

Para discutirmos e implementarmos alterações no Estatuto.

Todos os associados estão convocados para participar. 


18h | XVII D!scussões AEILIJ: Redução da maioridade penal, e nós com isso? 

Uma questão que precisa ser conhecida a fundo, sobretudo para aqueles que se dispõem a escrever e ilustrar para crianças.

Debatedores:
Simone Monteiro, pedagoga e Diretora do Departamento de Mídia-Educação da Secretaria Municipal de Educação da Cidade do Rio de Janeiro;
Desembargador Siro Darlan de Oliviera;
O arte-educador social, Jô Ventura, coordenador da ONG Se Essa Rua Fosse Minha;
Juíz Leonardo de Castro Gomes, titular da 17ª Vara Cívil e membro do Centro de Estudos e Debates do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro.

A mediação será de nossa associada Rosa Amanda Strausz, renomada autora, cuja abordagem do tema da infância em risco lhe rendeu diversos prêmios literários.

A entrada é franca e aberta para os não associados.

Apoio: Editora Rovelle 

Em breve: Mr. Folgaça!


Feira Literária do Pedro II e Livro Aberto da EDEM - 2015

No dia 3 de outubro estarei em duas escolas bacanas!

Às 9h estarei na Feira Literária do Colégio Pedro II da Tijuca, para uma conversa animada sobre os livros Condomínio dos Monstros e O Porteiro do Condomínio dos Monstros.

Às 11:30 mediarei um bate-papo super maneiro com autores da AEILIJ e convidados na EDEM, em Laranjeiras. 


Publishnews: Editora chega ao mercado apostando no prazer da leitura


...E ainda nesse ano, a editora lança Como pode um pinguim no Polo Norte?, de Alexandre de Castro Gomes e ilustrações de Cris Alhadeff.

Olha a novidade aí! Tem pinguim na área! Em novas águas!

Fonte:

Ebooknews: Vocês querem todos os livros de graça, então?

Achei esse link na rede. É de 2012, mas poderia ter sido postado hoje, que não faria diferença. Vale a leitura.

Fonte: http://ebooknews.com.br/editoras-autores-existissem/


Vocês Querem Todos os Livros de Graça, Então?
Da redação do Ebooknews - 23 de março de 2012

No mês passado publicamos alguns artigos sobre pirataria. Essa semana, mais alguns fatos ocorreram que nos trouxeram de volta a esse assunto polêmico.
Eu concordo com as reivindicações feitas por aqueles que ficaram órfãos do site de downloads ilegais. Era preciso que fosse oferecido um serviço de compra melhor, era preciso que os eBooks fossem lançados juntamente com os impressos, e era preciso que os livros digitais (e até os impressos) tivessem preços mais justos, para que mais pessoas tivessem acesso ao conhecimento e à cultura.
Em parte, concordo com algumas das justificações de quem pirateia. E concordo totalmente com aqueles que querem ter em um eBook comprado a liberdade de usá-lo em quantos dispositivos fossem desejados, e que o eBook pudesse ser emprestado ou compartilhado com familiares e amigos. Ainda não há solução boa para isso, mas creio que chegaremos a elas um dia.
Porém, um comentário feito em um dos nossos posts me chamou a atenção. Nele, a leitora Cristiane disse que a decisão do fechamento do iOS Books pela ABDR era a cara do Brasil, e que mais uma vez estávamos caindo na elitização cultural. Gostaria de falar um pouco a respeito disso, de forma bem simplista.
Para que todos os livros fossem gratuitos, ou algum novo modelo de negócio teria que ser testado, ou as editoras deveriam ser ONGs, que não possuem lucro, e distribuem o trabalho que fazem. Sem lucro, editoras não existem, e a maioria dos autores não existiria. E como teríamos livros sem editoras e autores? A resposta é simples: não haveriam livros.
Bernard Cornwell
OI, MEU NOME É BERNARD CORNWELL E EU ESCREVO PARA VIVER
Pegando como exemplo um autor de que gosto muito, Bernard Cornwell. Historiador, Cornwell possui o dom de transformar suas pesquisas em romances fantásticos, que explicam a história de maneira muito fluida, no meio de um romance. Para poder fazer suas pesquisas, e ainda assim sobreviver, Cornwell precisa de dinheiro. Para escrever seus romances, Cornwell precisa de tempo, muito tempo, e muita pesquisa. Sem dinheiro, ele teria que trabalhar em outra coisa, e talvez não tivesse tempo de escrever os mais de 20 livros – tesouro inestimável para o mundo – que já escreveu.
Ou seja, falando de forma bem simples, se Cornwell não recebesse dinheiro para escrever, não escreveria. Se ele não escreve, não há livro.
O mesmo vale para as editoras. O dinheiro para pagar gráficas, diagramadores, revisores e tantas outras fases de um livro, precisa vir de algum lugar. Se editoras fossem ONGs, o dinheiro viria de patrocínios de outras empresas ou, que ironia, do governo. Ou seja, de algum jeito, esse dinheiro sairia do nosso bolso da mesma forma. Porque ninguém trabalha de graça 24 horas por dia. As pessoas precisam comer, e ter tempo pra viver também. Assim, sem dinheiro, não há livros.
Não estou defendendo as editoras. Sei que os valores pagos para autores muitas vezes é injusto. Mas sei também que muito do dinheiro que uma editora recebe vai para distribuidoras, e até para as livrarias. Não conheço nenhum editor tão rico quanto um banqueiro, ou um político. E também não preciso começar a explicar para vocês, novamente, toda a cadeira das livrarias e distribuidoras, que também precisam de dinheiro para funcionar, né?
Workflow do Livro
DÁ PARA FAZER TUDO ISSO DE GRAÇA?
Há muitas iniciativas diferentes, como aBookboon. Também há projetos de muita qualidade, como o que toda a comunidade de Software Livre desenvolve. Mas creiam, as editoras são tradicionais, ainda não vivem na internet. A Bookboon e o Software Livresurgiram na internet, onde pessoas podem gastar uma parte de seu tempo para fazer coisas gratuitas. Mas nem tudo é assim. Por enquanto, na situação em que vivemos, é preciso que o dinheiro rode para que algum conteúdo seja gerado.
Existem muitos, MUITOS livros gratuitos pela internet. E não digo os pirateados. Me refiro àqueles de domínio público. Há tantos livros para download legalizado que eu tenho certeza de que jamais uma pessoa será capaz de ler em toda a sua vida. Cultura de graça, gente! Sem elitização!
Porque esse pessoal que reclama que a cultura é elitizada não vai acessar ao site doDomínio Público e baixar toda a coleção de Fernando Pessoa? Porque não baixam todo Machado de Assis? Conteúdo de alta, altíssima qualidade! Porque não procuram livros cujos autores disponibilizam gratuitamente suas obras para download?
Ah, não. Vocês não querem os velhos para ler. Vocês não querem aproveitar o chato do Machado de Assis. Vocês querem Harry Potter de graça. Vocês querem A Guerra dos Tronos free. Vocês querem o último volume da Marian Keyes, vocês querem Crepúsulo e Jogos Vorazes, lançamentos! Vocês querem o conteúdo novo, a modinha, aqueles que muita gente teve que investir muito dinheiro para fazer sucesso, aqueles que um autor suou muito para terminar de escrever. Vocês querem o Vade Mécum de graça, um livro de uma complexidade sem limites para diagramar, revisar, imprimir, etc.
Guerra dos tronos
GUERRA DOS TRONOS FREE! O/
Vocês querem livros de qualidade, bem revisados, traduzidos, editados e diagramados. Querem a facilidade de encontrar o livro pronto, e baixar o Adobe Reader ou o Calibre, tão gratuitos quanto, para ler tudo. E querem agora! Não querem esperar!
E mais: pouquíssimos querem se arriscar como os proprietários do iOS Book e dar a cara para bater, criando um site e mantendo ele. Comprando livros, digitalizando, gastando tempo e distribuindo para os outros. Vocês querem na mão.
Se querem cultura gratuita, a internet tem de sobra para vocês, para uma vida toda, eu garanto.
Querem lutar por preços de eBooks mais justos? Eu estou na luta com vocês, tanto por preços mais baratos como por serviços mais utilizáveis, por atendimento menos robótico, por traduções de qualidade. Contem comigo.
Mas, como diria meu pai, não me peça de graça o que eu faço para viver. Não peçam isso das editoras e nem dos autores. Há inúmeros problemas nessa cadeia, mas roubar tudo de graça não é a solução para ninguém.
  • Fique atualizado, receba nosso boletim por email, enviado às segundas e quintas-feiras.

Nação Leitora


Começa hoje a Bienal Do Livro Rio, e nossa campanha estará presente na Praça Nação Leitora. Visite-nos no Pavilhão Verde, saiba mais sobre a campanha e assine nossa petição no local ou através do link:
https://secure.avaaz.org/po/petition/Ministerio_da_Educacao_Ministerio_da_
Fazenda_e_a_Presidencia_da_Republica_Pela_continuidade_da_inclusao_da_literatura_na/?nJKxJjb
ou

Ler é um direito da criança!

‪#‎NaçãoLeitora‬

Fotos na Bienal do Livro do Rio de Janeiro - 2015