Convite para Liberdade

Rio, 9 de janeiro de 2011.

Prezada Liberdade, como vai?

Por aqui tudo continua maravilhoso. Acordo sempre com o sol iluminando esse tapete verde, que é a maior floresta urbana do mundo. Vejo pássaros, micos e outros bichos se aproximando, em busca das mais suculentas frutas tropicais.

Tenho uma vista espetacular aqui de casa. O contraste da areia branca de nossas praias, salpicada de barracas coloridas, com o mar ao fundo e o céu azul celeste é de encher os olhos! E os morros? Cada um mais bonito do que outro: Pão de Açúcar, Dois Irmãos, Pedra da Gávea...

Não é a toa que moro em um também.

Adoro o bom humor dos meus vizinhos. Os cariocas trabalham com um sorriso no rosto. Seja qual for o problema, ele acaba quase sempre resolvido após um chopinho ao entardecer ou depois da pelada em um dos vários campinhos que temos por aqui. Quando a noite chega, durmo embalado pela bossa nova, pelo chorinho, pelo samba... Você tem ideia de como isso é bom?

Eu não te disse ainda, mas sediaremos as Olimpíadas de 2016! Estamos arrumando o Maracanã! Nosso estádio voltará a ser um dos mais belos do mundo. O pessoal está tão entusiasmado que muitos passaram a se dedicar de corpo e alma ao esporte. Nunca vi tanta gente pedalando em nossas ciclovias, tantas regatas na Enseada de Botafogo, nem tantas duplas de vôlei de praia. Vocês, que estão acostumados a liderar a corrida de medalhas, não perdem por esperar! ;-D

Bem, escrevo para convidá-la para o aniversário de 446 anos do meu Rio de Janeiro! O traje é informal praiano (chinelo, bermuda e camiseta). Não é necessário trazer presente, pois, como vê, já temos quase tudo. A festa será no dia 1º de março, na semana antes do carnaval. Aliás, recomendo esticar sua estadia para que você possa curtir essa outra festa também. Nosso carnaval é certamente o melhor e mais divertido do mundo! O desfile das escolas de samba no Sambódromo e os blocos carnavalescos são imperdíveis. Quer que eu separe uma fantasia para você?

Esperarei de braços abertos!

Um abraço carinhoso do amigo

Cristo Redentor

Condomínio dos Monstros - Resenha


Condomínio dos Monstros 
de Alexandre de Castro Gomes
Resenha de Simone Pedersen

UM LIVRO DO QUAL GOSTEI MUITO

Os tempos mudaram e hoje muitos moram em apartamentos, obrigando as pessoas a aprenderem a conviver em grupo de forma muito próxima. Nossas crianças brincam no playground e na piscina do prédio, ou visitam amigos em condomínios. Dessa nova realidade, surgiu a sacada inteligente do autor, quando escreveu Condomínio dos Monstros. A qualidade do texto não parou por aí. Pior ainda entre monstros, o convívio social deles é complicado e respeitar as regras é fundamental. Quando a múmia sentiu-se impossibilitada de dormir seu sono milenar por causa do barulho dos vizinhos monstros, marcou uma reunião com a galera. Se o Esqueleto não faz barulho, suja por onde passa com seus ossos que caem. O Fantasma arrasta as correntes e o Lobisomem é pulguento. E quem será que aperta todos os botões do elevador? — perguntam ao Saci... Após uma negociação, uma das partes não cumpre o prometido e assim, os monstros são obrigados a buscar uma nova solução... O livro tem muitas tiradas inteligentes, humor agradável e um texto delicioso que agrada tanto os grandes quanto os pequenos. Para completar, aparece a ilustradora em seu primeiro trabalho, provando que veio para ficar. A bruxa traja vestido fashion de renda, as imagens são complementadas com detalhes que enriquecem e agradam os pequenos. Hoje, ambos – autor e ilustradora – têm inúmeros trabalhos publicados e outros tantos em processo de publicação, o que só comprova a qualidade da dupla. O Condomínio dos Monstros também virou peça de teatro e a estreia será ainda nesse ano, em São Paulo. Publicado pela RHJ, autor Alexandre de Castro Gomes e ilustração de Cris Alhadeff.

16/02/11 - AEI-LIJ Paulista / Fragmentos

Notícia boa vicia. Ontem fiquei sabendo que meu livro "Festa do Calendário" está nas chamadas do site da RHJ. Hoje li uma crítica muito bacana da autora Simone Pedersen para o "Condomínio dos Monstros", no blog da AEI-LIJ Paulista. Tomara que amanhã venha outra novidade boa!


Condomínio dos Monstros
autor: Alexandre de Castro Gomes

Os tempos mudaram e hoje muitos moram em apartamentos, obrigando as pessoas a aprenderem a conviver em grupo de forma muito próxima. Nossas crianças brincam no playground e na piscina do prédio, ou visitam amigos em condomínios. Dessa nova realidade, surgiu a sacada inteligente do autor, quando escreveu Condomínio dos Monstros...

*Também publicado no blog Fragmentos, de Simone Pedersen.

Festa do Calendário no site da RHJ

Meu novo livro está quase pronto! A RHJ colocou o "Festa do Calendário" na relação dos livros "Em Breve".
FESTA DO CALENDÁRIO
Autor: Alexandre de Castro Gomes
Ilustradora: Cris Alhadeff
| 28 págs | Formato: 20,0x26,0cm | 4 cores |
Temas:
Ciclo do tempo;
As diferenças.

Sinopse:
Em breve. 
Bem, como eles ainda não colocaram a sinopse, adiantarei aqui:
O novo diretor da empresa conhece seus novos comandados na festa de fim de ano do lugar. Ele é apresentado a Sexta-feira, uma ótima funcionária, mas que gosta de sair mais cedo do trabalho, Fevereiro, um baixinho que tem a mania de usar fantasias, Domingo, um cara super família, que anda com as fotos dos filhos na carteira, Segunda-feira, a funcionária deprimida, Outubro, o crianção da turma, e a vários outros empregados da Calendário S/A.

Qual o papel do e-book para crianças?

A venda dos livros eletrônicos já é maior do que a dos livros tradicionais na Amazon. Os leitores de e-books estão ficando cada vez mais baratos. Hoje é possível comprar alguns modelos por menos de 100 dólares. A inclusão de aplicativos interativos amplia a possibilidade de uso. Em relação aos livros infantis, é possível colocar sons, animação, fotos, links, narração e muito mais. O livro virou um site.

Se pensarmos bem, por mais que me doa dizer isso, a morte do livro impresso é iminente. Foi assim com os filmes em video cassete, com o Jornal do Brasil, com discos e outros. Será assim com o livro. 

"Mas o prazer de ter um livro nas mãos, o cheiro do papel, as lindas gravuras, o barulhinho das folhas sendo viradas, isso tudo não pode ser substituído.", dirão alguns. De fato não pode para nós que crescemos assim. As novas gerações buscam informação por meios digitais. Eles não terão saudades de algo que pouco conheceram. Lembro-me dos defensores dos LPs. "O som é melhor e as capas são grandes e coloridas. O LP não vai acabar!". Pois bem, acabou. Descontando-se alguns poucos que ainda são criados para colecionadores, não há mais bolachas pretas nas lojas. E o CD vai pelo mesmo caminho.

Livro estraga, mofa, rasga, pesa, suja, amassa, dá bicho, ocupa espaço, perde-se e por aí vai. O livro digital fica lá guardado na rede. Sempre leve e novinho em folha (ou em bytes). Não há como fugir disso, embora eu acredite que levará muitos anos ainda para que seja aposentado. O custo dos leitores digitais ainda é alto (quanto mais no Brasil) para grande parte da população.

A questão aqui é sobre o papel do e-book para as crianças. Com toda a parafernália que pode vir embutida na história, a criança o tratará como livro ou livro-brinquedo? Será que ela se concentrará no texto tendo tantos barulhinhos e botõezinhos para explorar? 

A Folha de São Paulo publicou hoje uma matéria sobre e-books da qual retirei um trecho:
"É a emergência de outro tipo de mídia, que dá a possibilidade de usar outro suporte, como som, música. Mas o importante é saber lidar com a diversidade", afirma Maria José Nóbrega, assessora pedagógica de literatura da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo e de colégios particulares.
Segundo ela, o livro digital, com recursos que simulam barulhos ou ações do personagem, acabam não permitindo que a criança imagine o que está lendo e exerça a criatividade, por isso é importante manter a leitura do livro de papel.
Ilan Brenman, doutor em educação pela USP e escritor de livros infantis, acredita que o livro digital interativo se aproxima mais da linguagem da televisão, do cinema e dos jogos eletrônicos.
"Quando você dá um iPad para a criança, ela brinca com aquilo. Leitura não é exatamente o que ela está querendo", afirma.
Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/saber/874558-livros-interativos-comecam-a-ser-usados-na-educacao-de-criancas.shtml

Eu acredito que o livro eletrônico chegou para substituir o impresso. Mas creio que o excesso de interatividade poderá atrapalhar. Em um primeiro momento, testemunharemos uma invasão de textos com luzes, jogos e demais novidades que o e-book infantil pode oferecer. Mas com o tempo as histórias voltarão ao simples texto e imagem, com um ou outro pequeno aplicativo que contribua. Será algo como o uso do Flash em sites. No começo todos queríamos animação e movimentos. Descobrimos depois que além de cansar, isso tirava a atenção do conteúdo principal. Hoje o Flash é usado como apetrecho e cada vez mais gente substituiu o site pela praticidade do blog.

Não me lembro de livros impressos em Buck Rogers. Nem em Jornada nas Estrelas. Spock lia sobre o universo e suas diversas criaturas na tela de um computador. Se a realidade copiar a fantasia, nossos bisnetos estarão lendo suas primeiras histórias em leitores digitais coloridos e decorados com capas de coelhinhos e monstrinhos felizes.

Leitora do Condomínio

De vez em quando recebo fotos de leitores com algum de meus livros. Acho muito bacana e resolvi colocar a última aqui. Essa é Dani, filha da autora Amanda Reznor. Ela adorou a história e eu adorei a foto!


Dani, um grande beijo para você!

Livros que me criaram

Todos temos livros que marcaram a nossa infância, não é? Eu tive um monte. Desde quadrinhos até livretos de bangue-bangue vendidos em bancas de jornais. Devorei Helio do Soveral, vulgo Luis de Santiago ou Irani de Castro ou Yago Avenir, degustei Stella Carr, sorvi Marcos Rey, saboreei Ziraldo, Luis Fernando Veríssimo, Monteiro Lobato, F.Ibanez, Uderzo e Goscinny e tantos outros gênios.

São tantos autores que me transformaram em quem eu sou, que nem ouso listar. São tantos conhecidos e tantos quase-anônimos. São tantos brasileiros e tantos estrangeiros...

Bem, quero usar esse espaço para falar um pouco sobre alguns livros que me criaram. Porque as histórias nos criam, nos transformam. Aprendemos lições. Construimos nossa moral. Eu me diverti muito com esses livros e espero que vocês se divirtam também.

Vou começar com 3 manuais. Os dois primeiros são ingleses e o terceiro é brasileiro.

Manual do Espião
Original: The Usborne Spy's Guidebook
Publicado no Brasil pela Editora Abril em 1980
Autor: Lesley Sims
Ilustrador: Colin King

Eu amava esse livro. Nele o autor dá conselhos e dicas para a criança que quer se tornar um espião. Entre os capítulos está "O uso de esconderijos", "Mensagens rápidas em código", "Tintas invisíveis", "Código secreto do anel", "Mensagens em Morse", "Truques para rastrear", "Como seguir discretamente" e muito mais. As ilustrações esbanjam humor e criatividade.

Quando eu ainda estava nos primeiros anos de escola, vários amigos meus tinham esse livro e criávamos equipes de espiões. Passávamos o recreio inteiro na brincadeira, tentando descobrir pistas que revelassem os códigos, mensagens e participantes dos outros grupos. Havia também uma equipe de detetives que usava outro manual, que aliás era sensacional também.

 
Manual do Detetive
Original: The Usborne Detective's Handbook
Publicado no Brasil pela Editora Abril em 1980
Autor: Anne Civardi
Ilustrador: Colin King

O livrinho de capa azul também tem ilustrações de Colin King. É quase uma continuação do Manual do Espião, com a temática bastante similar, embora direcionada ao ato de investigar. Aqui os códigos são substituídos por dicas de investigação, como descobrir pistas, truques de falsificadores, como descobrir assinaturas falsas, pinturas falsas, disfarces, jogos de observação, retratos falados, impressões digitais, como revistar uma casa, o mistério do museu, etc. Show!


Manual do Super-herói
Publicado pela Idéia Editorial em 1975-76
Autor: Claudio de Souza / Cesar Roberto Sandoval
Ilustrador: Michio Yamashita

Eu tinha 6 anos quando ganhei esse livro do Capitão Cometa, de capa dura, 190 páginas e ilustrações tão engraçadas que eu vivia copiando em tudo o quanto era papel. TODOS os personagens se vestem como heróis, até os animais. Os uniformes são divertidos e coloridos. Hoje, quando fui procurá-lo entre meus livros antigos, me surpreendi que seja brasileiro tamanha é a sua qualidade.

O SUPERÍNDICE tem: "Você também pode ser um Super-herói", "...Super-heróis da Mitologia...", "O equipamento dos Super-heróis", "O dia a dia...", "Os Superinimigos...", "Catálogo de Super-heróis", dentre outros.

Bem, esses são livros que ficarão para os descendentes. E quem não tem, vale uma busca na Estante Virtual!