LeituraMAIS: Mediação em Ação - Fotos

Foi bom demais. A galera compareceu e o assunto foi lindamente abordado com exemplos de mediação de sucesso. A Penélope trouxe a visão do contador de histórias e nos mostrou cases bem sucedidos, o Luis apresentou a ótica do oficineiro e criticou a mediação imposta e unilateral. A Márcia nos falou sobre a preocupação do editor e a sobre as diferentes vozes ouvidas na narrativa. Tudo sob a batuta da excelente mediadora Rosana, que levantou pontos interessantes para a discussão, como, por exemplo,a mediação da Emília quando a Dona Benta contou a história de Dom Quixote. Houve espaço para perguntas e esclarecimentos. Falamos sobre adaptações, sobre a dificuldade de se formar leitores e sobre a busca de soluções. Foi completo. Foi lindo. Viva a LIJ!

Mais que um projeto, o LeituraMAIS é um movimento, uma tentativa de agitação cultural. A proposta é reunir autores, educadores e interessados em literatura dedicada à infância e à juventude para debater temas que abrangem as várias vertentes da Leitura Literária.

***

O LeituraMAIS é uma realização da AEILIJ e, para os três primeiros encontros, contará com o apoio do SESI-SP.  

1º Encontro LeituraMAIS

23 de agosto de 2016 (terça-feira), das 19h00 às 21h00 – Mezanino do SESI – Av. Paulista

Mesa “Mediação em Ação” – Debate entre autores e mediadores de leitura, abordando:
* A importância da mediação de leitura entre crianças e jovens
* Dicas e técnicas para uma eficaz mediação
* Especificidade de trabalhos em sala de aula, bibliotecas, feiras do livro...


No camarim, antes do evento.

Rosana Rios, Penélope Martins, Luiz Bras e Márcia Leite.






Catálogo Literário "Autorias da Diversidade"

"O Porteiro do Condomínio dos Monstros", meu livro com a Cris Alhadeff pela Baobá, é uma das obras selecionadas para compor o Catálogo Literário "Autorias da Diversidade" do Governo do Estado de Minas Gerais. 

Uhu!

Entrevista para o Boletim de Leituras

Entrevista que dei para o Boletim Leituras sobre a AEILIJ, associação da qual sou presidente.

Carrossel: E você, já conhece a AEILIJ?
por Luisa Benevides (15/08/2016)

...“Todo projeto que visa espalhar literatura e divulgar o hábito da leitura é sempre bem-vindo e merece muitos aplausos.”...

Fonte: http://www.boletimleituras.com.br/?p=10147

Apresentação dos livros lançados em 2014 e 2015

Fotos do Jequitibá de Poesia na Casa Brasil

Fui homenageado com o "Troféu Jequitibá" e li trechos de obras de Gonçalves Dias (Se morre de amor / Juca-Pirama), Artur Azevedo (Uma observação), Patativa do Assaré (Foi os livro de valô...) e Ferreira Gullar (Nova canção do exílio). A curadoria do evento foi de José Prado.


Na Sala VIP


Na Casa Brasil da Rio 2016.


Na Casa Brasil da Rio 2016.


Na Casa Brasil da Rio 2016.


Na Casa Brasil da Rio 2016.


Cris Alhadeff na Casa Brasil da Rio 2016.


Feliz em ser o homenageado do evento. Recebi o meu Jequitibá!


Com os leitores do Jequitibá de Poesia - Poesia do Nordeste na Cena Carioca.


Jequitibá de Poesia na Casa Brasil da Rio 2016


Vamos juntar Olimpíadas com literatura?

Neste domingo, na Casa Brasil da Rio 2016, autografarei o livro "Encontros Folclóricos de Benito Folgaça" (Editora do Brasil), a partir das 15:30.

Haverá também, no mesmo horário, uma homenagem aos poetas nordestinos com o Jequitibá de Poesia (curadoria de José Prado). Além de mim, estarão lá os autores Cris Alhadeff, Luis Eduardo Matta, Sandra Pina, Flávio Dana e outros craques.

Quer um motivo melhor para visitar essa Casa Brasil de que todos falam? Fica logo ali no Armazém 1 da Praça Mauá. O lugar está todo arrumado. Vale a pena conhecer.

"No dia 07 de agosto (dom) autores de diversos gêneros literários, acompanhados de viola e zabumba, homenagearão os poetas e poetisas do Nordeste com a leitura do roteiro "Poesia Nordestina na cena carioca", com poemas do relicário nordestino, de Auta de Souza a João Cabral de Melo Neto."


Vídeos da Flipinha


A Flipinha disponibilizou os vídeos que os autores convidados de 2016 criaram para um CD que foi enviado aos professores da cidade.

Pediram que mostrássemos nosso ambiente de trabalho, que contássemos um pouco sobre nossa história, nossas leituras, etc.

Eu optei por apresentar alguns livros que lia quando garoto. 

Os filmes estão muito legais. Tem Blandina Franco e José Carlos Lollo, Aline Abreu, Selma Maria Kuasne, Celso Sisto e toda a turma.

Aqui:

Bate-papo com leitura no Colégio Andrews

Ontem.






Dia do Escritor

Imagem que a Bambolê divulgou no Dia do Escritor.


Flipinha 2016 - Histórias de Arrepiar (vídeo)


Consegui juntar alguns trechos de vídeos da mesa da Ciranda de Autores que o Ernani Ssó e eu participamos na Flipinha. A mediação foi do Leandro Leite Leocadio.

Programa Conversa com Autor - Especial FLIP 2016

Está no ar a entrevista que Cris Alhadeff, Andrea Viviana Taubman, Guigo (Guigo Gomes) e Alexandre de Castro Gomes (Alex Gomes) fizeram com a Katy Navarro para o Programa Conversa com Autor Especial Flip 2016, da Rádio MEC AM. 
Entre um evento e outro de Paraty, paramos para mais uma conversa muito divertida com a Katy, que pediu que apresentássemos nossos últimos lançamentos.
Apesar de ser um livro de terror/suspense e folclore, rimos muito com "Encontros Folclóricos de Benito Folgaça" (Editora do Brasil com il. de Samuel Casal). 
Guigo, ilustrador do livro "Filhos de Peixe" (Editora Mar de Ideias), deu sua primeira entrevista para uma rádio. Mandou bem!
Cris explicou suas ilustrações em "Piqui e uma aventura além da mata" (Nova Fronteira), livro que entrou no Catálogo de Bolonha desse ano.
Andrea emocionou com "O menino só" (Escrita Fina com il. de Anielizabeth) e "Sonhos de mãe" (Editora Jovem com il. de Sandra Ronca).


Consegui juntar em vídeo alguns trechos da entrevista. A queda do copo da Andrea, eu pedindo para o Guigo parar de filmar e tirar foto (estávamos quase sem bateria), a bronca que levei do Guigo ao vivo...

Dia do Rock

Dia 13 de julho é o Dia Mundial do Rock, ritmo de 9 de cada 10 músicas que ouço.
Outro dia ouvi um músico brasileiro (que já gravou rock) falar que roqueiros são preconceituosos e que se acham melhores do que os outros. Seu argumento foi apoiado por muitos anônimos.
Não curto mimimi. Me lembrei que, há muitos anos atrás, uma menina resmungou no meu ouvido algo sobre uma amiga minha roqueira não gostar dela por causa da música que ela ouvia. A menina tentava se aproximar mas não conseguia. Entendi a minha amiga na hora. Não era o gosto musical. Era porque ela era uma mala mesmo.
Bem, o rock melhorou o inglês de muita gente, fez o meu filho mais velho se interessar por guitarra, nos deu amigos, apresentou culturas distantes, ditou moda, criou festas, me juntou com a Cris e me faz balançar o esqueleto até hoje.
Peço que os chatinhos ouçam seu pagode, funk brasileiro, axé e sertanejo universitário e que parem de rotular os outros.

Olha só que interessante que pesquei do Wikipedia:

O dia 13 de julho é conhecido no Brasil como Dia Mundial do Rock. A data celebra anualmente o rock e foi escolhida em homenagem ao Live Aid, megaevento que aconteceu nesse dia em 1985. A celebração é uma referência a um desejo expressado por Phil Collins, participante do evento, que gostaria que aquele fosse considerado o "dia mundial do rock"...
...Apesar de se chamar "Dia Mundial do Rock", a data só é comemorada no Brasil. Ela começou a ser celebrada em meados dos anos 1990, quando duas rádios paulistanas dedicadas ao rock - 89 FM e 97 FM - começaram a mencionar a data em sua programação. A celebração foi amplamente aceita pelos ouvintes e, em poucos anos, passou a ser popular em todo o país. Entretanto, essa data é completamente ignorada em todo o resto do mundo.

"Histórias de Arrepiar" - no blog da Flipzona

Um resumo bem simplificado do que foi a minha mesa com o Ernani. Teve mais. Falamos sobre a dificuldade que é publicar histórias que arrepiam sem ensinar. Conversamos sobre o início do terror, desde os contos de fadas e as histórias que os Grimm coletavam dos adultos. Apresentei alguns seres arrepiantes do nosso folclore... Enfim, foi mais de uma hora de conversa.


Histórias de arrepiar
Publicado em 07/07/2016 por flipzona
*cobertura feita pela Central FlipZona

Quem nunca teve medo do bicho papão que atire a primeira pedra!

A mesa aconteceu no sábado, 2/7, às 10h30, no auditório da Casa da Cultura, mediada pelos escritores Leandro Leite Leocadio, Alexandre de Castro Gomes e Ernani Ssó, abordando como tema contos infantis de terror.

Aliás, durante o bate-papo, Alexandre esclareceu a diferença entre terror e horror. O terror cria expectativa e suspense. Já o horror deixa o leitor com cara de azedo. Dá nojo ou repulsa. Foram expostos também os desafios de escrever para o público infantil. De uma maneira descontraída, os autores mostraram aos presentes que o livro destinado às crianças deve ter a mesma qualidade dos destinados aos adultos.

Quando começou a criar histórias de terror para a garotada, Ernani Ssó se inspirou em algo que marcou sua infância: o medo de bruxas. Já Alexandre usou a mistura do folclore brasileiro e os contos que contava a seus filhos. Mas também o influenciou as narrativas que seus filhos contavam para ele.

O mercado editorial também foi um dos assuntos abordados. Para levantar tal questão o mediador Leocadio cunhou um termo ao vivo e a cores: “pedagocentrismo”, representando a falta de liberdade literária do autor brasileiro, que hoje se vê obrigado a escrever um livro que possa ser resumido em uma frase moral, para o uso didático, sem alguns elementos de natureza polêmica, como a religião, a discussão sobre gêneros e sexualidade etc. Sobre isso, Ernani argumentou que, em sua opinião, se o livro pode ser resumido em uma só frase, não é um bom livro. Os componentes da mesa concordaram que a Literatura é arte e não tem função pedagógica, obrigação essa dos livros didáticos e paradidáticos. No final das contas, segundo Alexandre, para escrever um livro infantil é preciso, antes de mais nada, escrever para a sua própria criança interior.

Fonte: 

Filhos de Peixe na Revista Canguru

Autores mirins -
Coluna de julho de Leo Cunha na revista Canguru

Este mês, minha coluna fala sobre a literatura infantil feira POR e não apenas PARA crianças. Por que nem sempre tais projetos dão certo?
Destaco dois livros que, a meu ver, conseguiram resultados muito bacanas: "Indo ao futuro para entender as mães" (Bárbara Muniz, ilustrações de Leonora Weissmann) e "Filhos de peixe" (vários autores mirins).

Este último, como muitos aqui já sabem, inclui um conto criado pelo meu filho Dedé, além de outros 8, escritos por filhos ou netos de escritores já tarimbados da literatura infantil: Claudia Nina, Alessandra Roscoe, Luciana Savaget, Joana Cabral, Cris Alhadeff, Ricardo Benevides, Luiz Antonio Aguiar, Otávio Cesar Jr. e Alex Gomes, que também organizou o livro).

Editada por Ivana Moreira, a Canguru já chegou ao número 10, com tiragem de 25 mil exemplares, distribuídos pela grande BH, na mochila de alunos de mais de 150 escolas. É também vendida em bancas.

Leo Cunha é escritor e publicou mais de cinquenta livros, como O sabiá e a girafa (Ed. FTD) e As fantásticas aventuras da vovó moderna (Ed. Cia. das Letrinhas). Recebeu os principais prêmios da literatura infantil brasileira, como Jabuti, Nestlé e João-de-Barro. Na Canguru, dá dicas de livros para crianças.

Para acessar online:

La pelota o la niña


Eis que chego em casa da FLIP e o que encontro na portaria?

"LA PELOTA O LA NIÑA?"!!!


He aquí el gran dilema del niño: Ser feliz con la niña o ser feliz con el futbol?
Un texto que trata con creatividad la difícil elección entre dos passiones.
Y además el libro tiene una sorpresa:
Con el andar de la lectura un final diferente se revela.

+ Mundo Mirim +


Cada vez que uma editora fecha, livros morrem.

Cosac&Naify, Manati, Rideel, Escrita Fina (da Stamppa), a compra da Ática, Scipione e Saraiva pela Somos (que cortou e ainda vai cortar muitos livros do catálogo), e agora o anúncio do fim da Mundo Mirim. Tem outras aí que estão quase caindo. Muitas com a produção congelada.

Fotos da FLIP/FLIPinha 2016

Já estou com saudades dessa festa incrível que é a FLIP. Foram momentos maravilhosos que ficarão guardados para sempre. 

O mesão de abertura foi divertido. Foi bacana saber como cada autor reagiu ao desafio que nos deram. 

A Operação Flipinha foi uma surpresa inesquecível. Nome em um grande banner, paredes decoradas, peça de teatro, recital, criação de livro baseado em história minha, musical coreografado e criação de letra de música, desenhos personalizados, fila de autógrafos, decoração caprichada (trouxe um móbile de guarda-chuvas comigo), beijos, abraços, história de corujas, declaração de amor e dois lindos guarda-chuvas decorados. Precisa mais?

A Roda de Conversas que participei com a Laura Castilhos foi uma alegria. Dragões voaram. Leituras do começo ao fim e do fim ao começo. Folclore e futebol. Sustos e assombrações...

A mediação de um bate-papo com meus filhos, sobre o lançamento do seu livro "Filhos de Peixe", com direito a performance do ilustrador Guigo Gomes, contação de história da escritora Nina Gomes e a presença ilustre dos autores Claudia Nina, Otávio Cesar Jr. e da editora Daniella Riet, foi um presente para esse pai bobo aqui.

A entrevista com as queridas Katy Navarro, Cris Alhadeff e Andrea Viviana Taubman para a Rádio MEC na FLIP foi possivelmente a entrevista mais engraçada que já participei. Teve gargalhadas e copo de água derrubado pelo riso. Foi também a primeira entrevista que meu filho deu para uma rádio.

A minha mesa com o Ernani Ssó, "Histórias de Arrepiar", que rolou na Casa de Cultura foi perfeita. Casa cheia e galera entusiasmada. Pena que não tínhamos mais tempo. Era papo para o dia inteiro.
Pousada confortável, cidade bonita, comida gostosa, galera interessante, mesas de debates enriquecedores...

Adorei ter vivido esses dias com a família.

Agradeço imensamente às queridas Belita-Izabel Costa Cermelli, Galileia Estrela, Sandrine, Anna Claudia Ramos, Verônica Lessa, Gabriela Gibrail, Gláucia Mollo, Aline, Débora, Bia, Paula, Jô da Sec. Educação e a toda galera que nos tratou tão bem e que fizeram esses momentos possíveis.

Agradeço também às editoras FTD, Globo, Melhoramentos e Peirópolis que apoiaram a minha ida à Paraty.

Beijos e até a próxima!



Mesão de abertura da Flipinha: "Desafios Literários"


Mesão de abertura da Flipinha: "Desafios Literários"


Alexandre, by Lollo.



Operação Flipinha na Escola Municipal Parque da Mangueira


Operação Flipinha na Escola Municipal Parque da Mangueira


Operação Flipinha na Escola Municipal Parque da Mangueira


Operação Flipinha na Escola Municipal Parque da Mangueira


Operação Flipinha na Escola Municipal Parque da Mangueira


Operação Flipinha na Escola Municipal Parque da Mangueira



Roda de Conversa com Laura Castilhos e Alexandre de Castro Gomes na Tenda da Biblioteca


Roda de Conversa com Laura Castilhos e Alexandre de Castro Gomes na Tenda da Biblioteca


Roda de Conversa com Laura Castilhos e Alexandre de Castro Gomes na Tenda da Biblioteca


Roda de Conversa com Laura Castilhos e Alexandre de Castro Gomes na Tenda da Biblioteca


Roda de Conversa com Laura Castilhos e Alexandre de Castro Gomes na Tenda da Biblioteca


Autógrafos na Tenda da Biblioteca



Ciranda de Autores: "Histórias de Arrepiar" com Alexandre de Castro Gomes e Ernani Ssó.
Mediação de Leandro Leite Leocadio.


Ciranda de Autores: "Histórias de Arrepiar" com Alexandre de Castro Gomes e Ernani Ssó.
Mediação de Leandro Leite Leocadio.


Ciranda de Autores: "Histórias de Arrepiar" com Alexandre de Castro Gomes e Ernani Ssó.
Mediação de Leandro Leite Leocadio.


Ciranda de Autores: "Histórias de Arrepiar" com Alexandre de Castro Gomes e Ernani Ssó.
Mediação de Leandro Leite Leocadio.


Ciranda de Autores: "Histórias de Arrepiar" com Alexandre de Castro Gomes e Ernani Ssó.
Mediação de Leandro Leite Leocadio.


Ciranda de Autores: "Histórias de Arrepiar" com Alexandre de Castro Gomes e Ernani Ssó.
Mediação de Leandro Leite Leocadio.


Ciranda de Autores: "Histórias de Arrepiar" com Alexandre de Castro Gomes e Ernani Ssó.
Mediação de Leandro Leite Leocadio.


Ciranda de Autores: "Histórias de Arrepiar" com Alexandre de Castro Gomes e Ernani Ssó.
Mediação de Leandro Leite Leocadio.


Ciranda de Autores: "Histórias de Arrepiar" com Alexandre de Castro Gomes e Ernani Ssó.
Mediação de Leandro Leite Leocadio.


Ciranda de Autores: "Histórias de Arrepiar" com Alexandre de Castro Gomes e Ernani Ssó.
Mediação de Leandro Leite Leocadio.


Entrevista para o "Conversa com o Autor - Especial da FLIP" da Rádio MEC AM


Entrevista para o "Conversa com o Autor - Especial da FLIP" da Rádio MEC AM


Roda de Conversa com Guigo e Nina Gomes na Tenda da Biblioteca.
Participação Especial: Claudia Nina, Otávio César Jr. e Daniella Riet.
Mediação: Alexandre de Castro Gomes


Roda de Conversa com Guigo e Nina Gomes na Tenda da Biblioteca.
Participação Especial: Claudia Nina, Otávio César Jr. e Daniella Riet.
Mediação: Alexandre de Castro Gomes


Roda de Conversa com Guigo e Nina Gomes na Tenda da Biblioteca.
Participação Especial: Claudia Nina, Otávio César Jr. e Daniella Riet.
Mediação: Alexandre de Castro Gomes


Roda de Conversa com Guigo e Nina Gomes na Tenda da Biblioteca.
Participação Especial: Claudia Nina, Otávio César Jr. e Daniella Riet.
Mediação: Alexandre de Castro Gomes


Roda de Conversa com Guigo e Nina Gomes na Tenda da Biblioteca.
Participação Especial: Claudia Nina, Otávio César Jr. e Daniella Riet.
Mediação: Alexandre de Castro Gomes


Roda de Conversa com Guigo e Nina Gomes na Tenda da Biblioteca.
Participação Especial: Claudia Nina, Otávio César Jr. e Daniella Riet.
Mediação: Alexandre de Castro Gomes


Roda de Conversa com Guigo e Nina Gomes na Tenda da Biblioteca.
Participação Especial: Claudia Nina, Otávio César Jr. e Daniella Riet.
Mediação: Alexandre de Castro Gomes


Roda de Conversa com Guigo e Nina Gomes na Tenda da Biblioteca.
Participação Especial: Claudia Nina, Otávio César Jr. e Daniella Riet.
Mediação: Alexandre de Castro Gomes


Roda de Conversa com Guigo e Nina Gomes na Tenda da Biblioteca.
Participação Especial: Claudia Nina, Otávio César Jr. e Daniella Riet.
Mediação: Alexandre de Castro Gomes