quinta-feira, 13 de setembro de 2018

Discos que me impactaram

Eu fui desafiado pelo amigo de longa data Joao Miguel Aliano para mostrar 10 capas de discos que de alguma forma me impactaram. Não é preciso dar explicações do porquê. Coloquei as 10 primeiras que me vieram à cabeça, mas existem muitas outras que mereciam estar aí.
Sei que a ideia inicial era apresentar uma capa por dia e nomear alguém para fazer o mesmo. Eu não tenho muita paciência para isso, então seguem as 10 de uma vez.
Faça o mesmo quem quiser.


terça-feira, 11 de setembro de 2018

Book-trailer: O livro que lê gente

A Cortez fez um book trailer superbacana de "O livro que lê gente", obra minha e da Cris Alhadeff, aprovada para o PNLD Literário 2018. Ao final da animação tem um filme meu e da Cris apresentando o livro para os professores. 

Ajudem esse livro a ler a criançada das 106 mil escolas cadastradas no programa! Divulguem!
Amigos profes, contamos com vocês!

Código 1073L18602


Banners - PNLD Literário



segunda-feira, 10 de setembro de 2018

"Quem matou o Saci?": Resenha de Clara de Cápua

Outra resenha, sensacional, da Clara de Cápua, para "Quem matou o Saci?", livro meu e da Cris Alhadeff, indicado para o PNLD Literário 2018:

A detetive Billy Conrado e o detetive Joaquim de Jeremias colhem pistas e não poupam esforços para solucionar o misterioso assassinato de um conhecidíssimo personagem do folclore brasileiro. Quem teria motivos para matar o Saci em sua própria festa de aniversário? Muitos convidados ilustres do folclore brasileiro são suspeitos, tais como o Boto, o Caipora e a Pisadeira. Mas quem seria o verdadeiro culpado?

Difícil algum leitor que não goste de um bom enigma. Aqui temos um bem diferente: o saci morreu! Então, é possível que um personagem tão conhecido e tão famoso possa mesmo ter morrido? Parece que sim...

Esse texto de aventura e suspense tem todas aquelas características que o gênero precisa ter: muitas perguntas para todos os envolvidos, muita descrição de cenário, de personagens e situações, além de ficha criminal, cena do crime e... os suspeitos, claro! O leitor pode acompanhar os depoimentos e fazer sua própria investigação, ter seus suspeitos mais duvidosos.

Temos aqui dois livros em um só: enquanto acompanhamos Billy e sua trama numa narrativa de suspense, o autor nos conta também sobre os personagens de nosso folclore e de como eles vivem fazendo o leitor se embrenhar pela literatura fantástica. Por isso é também um gostoso mergulho no universo das lendas e da mitologia. Enquanto isso, o Saci aguarda o desfecho e o esclarecimento de sua morte. Atenção especial para as ilustrações, que trazem informações muito ricas sobre o que se passou e a história de cada personagem. Certamente cada leitor vai se sentir um pouco a Billy!

Quer saber quais as sugestões da Clara para o uso em sala de aula? Clique aqui em 

domingo, 9 de setembro de 2018

Estante arrumada!

Fim de semana de arrumação de estante. Amo e odeio. Amo achar livros que não lembrava que tinha. Odeio ter que me desfazer de outros. Tão pouco espaço!



quinta-feira, 6 de setembro de 2018

Manual do professor: "Quem matou o Saci?"

"Quem matou o Saci?"
A Brinque-Book criou um site especial para o PNLD e disponibilizou um trecho da obra e o manual do professor. O manual, elaborado por Clara de Cápua, traz ideias bastante interessantes de atividades e sugestões para o melhor aproveitamento do livro. 
Código do livro na relação do PNLD Literário: 0806L18602
Categoria: 5 (4º. ao 5º. anos do ensino fundamental)

Resenha do blog da Brinque-Book para "Quem matou o Saci?"

A Brinque-Book escreveu uma resenha muito bacana para "Quem matou o Saci?", livro aprovado pelo PNLD Literário 2018.

Segue também o link para a página especial do livro criada para o PNLD Literário 2018: http://pnld.brinquebook.com.br/livros/quem-matou-o-saci/

PNLD: “Quem matou o saci?” une suspense e aventura a um passeio pelo folclore
04/09/2018

Neste ano, o Governo Federal lançou o Programa Nacional do Livro e do Material Didático – PNLD 2018 Literário. Caracterizado com um edital “transitório”, o programa comprará livros de literatura para a Educação Infantil, Anos Iniciais do Ensino Fundamental e Ensino Médio, para todas as escolas das redes públicas, além de instituições comunitárias, confessionais ou filantrópicas conveniadas com o poder público. O governo seleciona uma lista prévia de obras, e as envia com seu conteúdo completo, juntamente com material explicativo sobre cada uma delas, às escolas, que escolhem quais desejam adotar para as crianças e requisitam a sua entrega.

É o caso deste Quem matou o saci?, de Alexandre de Castro Gomes e Cris Alhadeff, que assinam texto e ilustrações, respectivamente. Para crianças maiores – a partir de 8 anos -, a obra começa com um crime: o assassinato do Saci Perereira, velho conhecido do folclore brasileiro.

O Boto, personagem de “Quem matou o saci?” / Alexandre de Castro Gomes (texto) e Cris Alhadeff (ilustrações)

A partir disso, a detetive Billy Conrado e seu colega Joaquim de Jeremias, que narra a história, vão investigar quem é o culpado seguindo de uma curiosa lista de suspeitos: Caipora, Boto, Cabeça de Cuia, Pisadeira, Papa-Figo (ou Velho do Saco)…

Personagens conhecidos – e nem tão conhecidos assim – do folclore são apresentados ao leitor por intermédio de sua “ficha criminal” e do interrogatório que a dupla de detetives faz com as criaturas ao longo do livro.

Com muito humor e suspense, no melhor estilo livro policial, a narrativa vai dando pistas, costurando possibilidades e dando a conhecer personagens curiosos que teriam algum motivo para cometer um crime contra o pobre Saci Perereira.

Aliás, o próprio Saci é apresentado por sua “ficha”, desenhada com cores, fotos e formas irreverentes por Cris. As ilustrações, nesta obra, apresentam os suspeitos e “catalogam” suas, digamos, qualidades, imitando a estética de um processo criminal.

Ao mesmo tempo em que apresenta o Saci e os suspeitos, o livro também mostra três formas diferentes e contar uma história: a narração de Jeremias, a narrativa dos interrogados e nas fichas de interrogatório.

O livro é um divertido e instigante convite aos leitores para que descubram não apenas a identidade do verdadeiro culpado, mas, especialmente, a riqueza do nosso folclore, das nossas histórias, da nossa cultura.

Fonte: https://blog.brinquebook.com.br/pnld-2018/pnld-quem-matou-o-saci-une-suspense-e-aventura-a-um-passeio-pelo-folclore/

Súplica do Livro


terça-feira, 4 de setembro de 2018

Livros aprovados para o PNLD Literário

Viva! São 4 livros aprovados para o PNLD Literário!
Professores queridos e amigos, recomendem os livros para as suas escolas! Ajudem aí!

Foi uma alegria ser INDICADO por essas quatro editoras batalhadoras e experientes. Cada uma só podia indicar quatro livros ao programa e ter uma obra entre eles já é uma vitória e uma garantia de qualidade. Agora veio a satisfação dos quatro livros serem APROVADOS pelo MEC, quando quase um terço das indicações foi reprovado. Falta só a felicidade de ser SELECIONADO pelas escolas. E para isso eu conto com vocês.

Viva a LIJ!


Pós graduação em LIJ - Primeira aula

Primeira aula da pós-graduação em literatura infantil e juvenil, na Cândido Mendes.
Aulas, colegas, conhecimento, literatura...





sábado, 1 de setembro de 2018

Palavra e imagem na LIJ: O lugar do texto e da ilustração no livro infantojuvenil

Palavra e imagem na LIJ: O lugar do texto e da ilustração no livro infantojuvenil
Palestra que a Cris Alhadeff e eu demos, no último sábado, para os alunos do Profissão: Escritor, evento organizado pela Michelle Strzoda, no Instituto Estação das Letras.



terça-feira, 28 de agosto de 2018

Livros ruins: blog A cigarra e a formiga

Adorei esse vídeo da Daisy, do blog A Cigarra e a Formiga.

Como eu escrevo

Opa! Saiu a minha entrevista no site "Como eu escrevo"!
Um trabalho muito bacana do José Nunes que conta com a participação de escritores como Laerte, Ricardo Silvestrin, Adriana Lisboa, Leonardo Boff, Antonio Torres, Carola Saavedra, Frei Betto, Heloisa Seixas, Henrique Rodrigues e Rosa Amanda Strausz, entre outros.

Fonte:
https://comoeuescrevo.com/alexandre-de-castro-gomes/

sábado, 25 de agosto de 2018

Profissão: Escritor

No dia 1 de setembro, a Cris Alhadeff e eu (Alexandre de Castro Gomes) estaremos na Estação das Letras para participar do Profissão: Escritor, um ciclo de workshops sobre o mercado editorial. O tema da nossa conversa será "Palavra e imagem na LIJ: O lugar do texto e da ilustração no livro infantojuvenil".

O Profissão: Escritor tem curadoria de Michelle Strzoda e contará com a participação de Ruy Castro, Heloisa Seixas e Dhaniel Cohen, entre outros escritores, jornalistas e profissionais do livro.

As inscrições estão abertas pelo e-mail iel@estacaodasletras.com.br ou pelo tel. (21) 3237-3947.



sexta-feira, 24 de agosto de 2018

Guarda-chuvas em Caxias do Sul

A imagem mostra uma grande tenda de guarda-chuvas no meio da quadra da escola.
Inspiradas pelo livro "O menino que coleciona guarda-chuvas" (texto meu, ilustras da Bruna Assis Brasil e edição da Globo Livros), as crianças da creche do Colégio La Salle, de Caxias do Sul - RS, posaram para a foto e aprenderam que para se divertir só é preciso usar a imaginação!



Pós-graduação em Literatura Infantil e Juvenil: Venha!



domingo, 19 de agosto de 2018

Seminário Educação Literária - Fotos











 
Foi um prazer dividir a mesa com os talentosos
Júlio Emílio Braz, Otávio Cesar Jr e Rosa Amanda Strausz.

Sem Fronteiras: Seminário de Educação Literária

Por Renata Barcellos.

"...Estava ansiosa para ouvir os palestrantes da mesa redonda Literatura para jovens.

Alex Gomes discutiu sobre a definição de literatura infantil e juvenil, suas fronteiras tênues... Pontuou muito bem a questão do que chamou “censura mercadológica” no que diz respeito a não aceitação de certos temas para este público-alvo. Contou-nos experiências demonstrando assim o seu descontentamento com essa postura adotada. As editoras precisam atualizar-se!
Julio Emilio, muito bem humorado, ri muito com seu relato. Contou-nos de como foi sua criação. E, no final, o grande problema na criação dos filhos. Antes, quando o responsável era solicitado a comparecer na escola, ele perguntava: “O que você fez?”, agora, “o que ela quer comigo?”.
Otavio Jr. Apresentou-nos a sua história com o projeto Ler na favela. É autor do livro O livreiro do alemão. Relatou-nos que ficou conhecido com o nome deste livro. A partir da experiência como pai de um menino de 10 anos, refletiu sobre a literatura. E como urge o professor se reinventar para poder atingir o jovem..."

Fonte: http://www.redesemfronteiras.com.br/noticia_ver.php?id=3834