Seminário "A viagem de um barquinho"

Ontem passei uma tarde muito agradável na companhia de amigos inteligentes e de uma turma super ligada na literatura de Sylvia Orthof. O terceiro painel do seminário A Viagem de um Barquinho - Sylvia Orthof: do teatro para a literatura foi recheado de leituras, risos e lágrimas. Um bate-papo com gosto de saudade e quero mais. Segue a chamada do site da Rovelle:

"SYLVIA ORTHOF: ORA FADA, ORA BRUXA
Painel 3 25/09 terça 13h às 17h

O viés crítico e questionador da autora. A comicidade em sua obra. O humor burlesco, satírico e paródico. Sua face mais irônica. O Surrealismo. Adaptação de clássicos e outros nem tanto. Crítica social e engajamento. Rompimento com o padrão maniqueísta polarizado. A polifonia na obra da autora. Histórias repletas de símbolos religiosos judaicos e católicos. A incorporação de elementos do candomblé.

O humor orthófico: do burlesco à sátira, da paródia ao nonsense. Leo Cunha– Professor/escritor
Subversão e transgressão na escrita de Sylvia Orthof. Ricardo Benevides– Professor/escritor
O estilo orthofiano de adaptar. Mário Feijó – Professor/escritor/editor
Sobre a religiosidade e o simbolismo na obra de Sylvia Orthof. Ninfa Parreiras– Psicanalista/escritora
Historietas cantadas — Apresentação da Cia. Teatro Livro Aberto"

Bem, cheguei na Rua Sacadura Cabral e logo encontrei a Sandra Ronca, a Andrea Taubman e o anfitrião, editor da Rovelle, José Prado. Em pouco tempo éramos muitos no salão do coffee break. Fotos, risadas, trocas de livros, autógrafos, enfim, um encontro muito maneiro. Leo Cunha, Sandra Pina, Maríilia Pirillo, Edna Bueno, Ninfa Parreiras, Ricardo Benevides, Luiz Raul Machado, Antonieta Cunha, Carolina Braga, Marta Lagarta, Helena Rodarte, Leny Werneck, Ana Benevides e mais um monte de gente bacana lotou o auditório da editora para ouvir os palestrantes. José Prado, um gentleman, apresentou a turma do palco e anunciou um a um os escritores e editores presentes. Aplausos para todos. Muito legal isso. 

O Leo começou com uma crítica para o próprio título escolhido para sua palestra e o alterou para Guardachuvando Doideiras. Em seguida classificou o humor em quatro tipos distintos, todos fortalecidos pela irreverência, e leu exemplos de cada, retirados da obra da Sylvia Orthof. São eles o humor burlesco (baseado no movimento e no excesso, que gera um acúmulo de acontecimentos em cascata, ou na carnavalização, ou inversão - o pobre vira rico e vice-versa), o humor satírico, que ironiza e debocha de comportamentos e convenções, o humor paródico, que ironiza algo em outra obra, e o humor de situação, com a surpresa, o quiproquó e o mau-entendido. No final perguntei sobre o humor negro, um de meus tipos favoritos, e o Leo o incluiu dentro de todos os outros tipos de humor. Afinal o humor negro pode se basear em paródias, no cotidiano, em sátiras e no excesso.

Em seguida o Ricardo Benevides leu um texto sobre a TransgreSylvia e a SubverSylvia, onde comentou a escrita transgressora e subversiva de Sylvia Orthof. Mencionou também sua habilidade para a criação de novas palavras.

Mário Feijó fez uma ligação da obra de Sylvia com a obra de Lobato e comentou que a Literatura é filha da Oralidade e que a criança precisa de leitura compartilhada. Segundo ele, também, os melhores autores de LIJ escrevem como se fala. O texto tem que fluir.

Ninfa Parreiras falou sobre o simbolismo na obra de Sylvia, entre eles a personificação da Lua, das estrelas... Mencionou os elementos de religiosidade (exemplificou com o hibridismo de poesia e prosa e cristianismo e candomblé em "Eu sou mais eu") e os ideais de liberdade que trazia desde quando fazia teatro.  Aliás, Ninfa nos brindou com uma história engraçada do começo da carreira literária de Sylvia. Quando Ana Maria Machado sugeriu que a amiga enviasse textos para uma editora de LIJ, Sylvia mandou 26 textos de uma vez para uma só editora. E não guardou cópias!!! Depois conseguiu, com a ajuda de Ruth Rocha, recuperar quase tudo. Imaginem o sufoco!

No final ganhamos de presente uma apresentação da Cia. Teatro Livro Aberto, com histórias de Sylvia Orthof cantadas e musicadas. Valeu muito a pena. Quem perdeu, perdeu.

Sandra Ronca, Sandra Pina, Alex, José Prado e Leo Cunha 








Foto de quem não queria ir embora.


Essa é do Coquetel de lançamento da exposição permanente Sylvia Orthof, na editora Rovelle.


Outra do Coquetel.


Sandra Ronca e Cris Alhadeff.

Apresentação do Teatro do Livro Aberto.


Alex, José Prado e Marta Lagarta.

Filme e fotos do Condomínio dos Monstros na Rádio Maluca

Fomos conferir o programa de terror da Rádio Maluca no último sábado, no teatro do Sesi. Zé Zuca e a equipe arrasaram em um programa divertido e aterrorizante. Adoramos tudo, especialmente a Márcia Valéria e o Pedro Soares, do grupo Mimos Brasil, contando a história do Condomínio dos Monstros. Segue filme e fotos.


Esperando o começo da história.

Zé Zuca apresenta a Márcia Valéria e o Pedro Soares.

Filmei a apresentação do Condomínio.

Mariano, Zé Zuca, Pedro Soares e Márcia Valéria com o Luca.

Com Zé Zuca e Mariano.

Com Márcia Valéria e Pedro Soares do Mimos Brasil.

Condomínio dos Monstros na Rádio Maluca



PROGRAMINHA DE TERROR NA RÁDIO MALUCA
HAMILTON CATETTE CANTA A DANÇA DAS CAVEIRAS E MIMOS BRASIL CONTA UMA HISTÓRIA ASSUSTADORA

22 de setembro de 2012 - (No Teatro do SESI – Centro – Av. Graça Aranha, 1) - Ingressos: R$1,00, inteira e R$ 0,50, meia, (valor simbólico para transportar crianças de áreas carentes para o programa. Crianças de escolas municipais em grupo não pagam).

O tema deste sábado, 22/09, do programa-show Rádio Maluca será Programinha de Terror. Vamos ver quem tem medo de caveiras, castelos mal assombrados, monstros e outras coisas divertidamente assustadoras. Para aterrorizar a platéia e os ouvintes com suas canções sobre caveiras e castelos mal assombrados, o cantor e compositor Hamilton Catette, que possui um repertório só de músicas do gênero. Para contar a história do dia, O condomínio dos monstros, o grupo Mimos Brasil, com a atriz e contadora de histórias Márcia Valéria e o ator e mímico Josué Soares.

A Rádio Maluca acontece aos sábados, das 11h às 12h, no Teatro do SESI - Centro (Av. Graça Aranha, 1), pertinho da Cinelândia. O programa é transmitido , ao vivo, pelas rádios Nacional AM 1130 e MEC AM 800.

Caricatura 'by Guigo'

Ao me ver de cama, gripado e doente, meu filho me deu de presente uma caricatura minha, querendo me alegrar. Fiquei um pouquinho melhor. Ei-la: 


Seminário A Viagem de um Barquinho - Sylvia Orthof: Do teatro para a literatura

Esse é imperdível! Eu já me inscrevi em um dos painéis do Seminário.

A Editora Rovelle promoverá, no início da primavera, de 24 a 26 de setembro de 2012, o Seminário A Viagem de um Barquinho – Sylvia Orthof: do teatro para a literatura.

Entre os palestrantes estão Zé Zuca, Rosa Amanda Strausz, Leo Cunha, José Luiz Prado, Laura Sandroni, Ninfa Parreiras, Marilia Pirillo, Graça Lima, Renato Alarcão, Ivan Zigg, Luiz Raul Machado e um monte de gente bacana. São cinco painéis de quatro horas de duração cada, sendo dois pela manhã e três no período da tarde.

O evento é gratuito e as inscrições podem ser feitas pelo site www.rovelle.com.br ou pelo telefone 21-2206-3500.

Ah! E apesar do folder especificar que o público alvo é universitários do curso de Letras e Pedagogia, professores, etc., soube que o seminário está aberto à todos os interessados. Como as vagas são limitadas, sugiro que você garanta seu lugar o quanto antes.

Local: Editora Rovelle, auditório
Rua Sacadura Cabral, 144H - Saúde - Rio de Janeiro - RJ

Clique aqui para maiores informações:
http://rovelle.com.br/noticia/seminario-a-viagem-de-um-barquinho-sylvia-orthof-do-teatro-para-a-literatura

Solar Literário do mês de agosto

Texto do site do Solar
Meninos de Luz:

28/08/2012 - Solar Literário do mês de Agosto

Os escritores Luís Eduardo Matta e Alex Gomes, e a ilustradora Cris Alhadeff estiveram presentes nos dois encontros do Solar Literário que aconteceram neste início do segundo semestre letivo.

O Solar Literário do dia 8 de agosto contou com a presença do escritor de suspense Luís Eduardo Matta que envolveu os alunos do 5º ano do Ensino Fundamental em um bate-papo cheio de assuntos interessantes. Luís Eduardo relembrou aos jovens a ligação da leitura com o aprendizado da língua nacional e a importância deste conhecimento para manter-se informado e conseguir lutar pelos direitos de cidadão.

O autor levou seus livros “O Rubi do Planalto Central”, “Ira implacável” e “As bem resolvidas (?)”, contando um pouco da história de cada um, instigando à leitura das crianças que ficaram ansiosas por pegar esses livros que o autor deixou de presente na Biblioteca.

Alex Gomes e Cris Alhadeff, que também estiveram no Solar Literário em Agosto de 2011, retornaram à Biblioteca Comunitária Meninos de Luz no dia 28 deste mês e levaram a conversa com alguns alunos do 7º ano. Na ocasião, o aluno Luis recitou aos demais colegas as letras de algumas músicas compostas por ele e foi presenteado pelo autor com o livro “O tesouro do lagarto de fogo”, de sua autoria, como um prêmio e incentivo ao jovem escritor. A ilustradora Cris Alhadeff, enquanto seu marido Alex conduzia o papo, desenhou a personagem Emília, de Monteiro Lobato, que deixou de presente para a Biblioteca.

O Solar Literário é o encontro de escritores e ilustradores de livros infanto-juvenis com alunos para o incentivo à leitura, fomento à criatividade, aproximação com o livro em seus diversos formatos e instigação ao desenho e à escrita.

Rascunho - Prateleirinha de setembro

O menino que coleciona guarda-chuvas é um dos quatro livros indicados na prateleirinha de setembro do jornal Rascunho. É maravilhoso ver um filho de papel criar vida própria e rodar o mundo. Sou um pai orgulhoso do rebento.


O jornal literário Rascunho foi criado em Curitiba, em 8 de abril de 2000, pelo seu editor, o jornalista Rogério Pereira. Nacionalmente reconhecido pela qualidade de seu conteúdo, o jornal é distribuído para todo o Brasil. Sua tiragem é de 5 mil exemplares mensais.

O Rascunho publica ensaios, resenhas, entrevistas, textos de ficção (contos, poesias, crônicas e trechos de romances) e ilustrações.  Entre seus colunistas fixos, estão autores como Affonso Romano de Sant’Anna, José Castello, Carola Saavedra, Fernando Monteiro e Luiz Bras.

Sobrecapa Literal - Set/2012

Está no ar o jornal digital Sobrecapa Literal de setembro de 2012!

Minha coluna, Espaço LIJ, tem como convidados a escritora Rosana Rios e a ilustradora Cris Alhadeff. O artigo do mês é sobre autores mirins. O download é gratuito! Divulguem e convidem assinantes para dar vida longa a essa bela publicação.

Leia aqui:
http://www.sobrecapaliteral.com.br/doc/SobrecapaLiteralEd19.pdf

Espaço LIJ - Setembro de 2012

Veio a Bienal de São Paulo e, com ela, lançamentos de vários livros infantis de autores nacionais. A literatura infantil e juvenil brasileira nunca teve tantos protagonistas. Além dos tradicionais livros em papel, houve espaço também para os e-books e audiobooks. Estes últimos capitaneados pelos milhares de livros em formato MECDaisy que o FNDE distribuiu para os cegos e leitores de baixa visão. Ainda dentro desse tema, a Fundação Dorina Nowill lançou sua segunda coleção em parceria com a AEILIJ. São cinco livros em braille, com fontes ampliadas e desenhos em relevo.

Feiras literárias acontecem no Brasil inteiro, basta checar o Circuito Literário apresentado pelo MINC. Vivemos um momento muito bom de criação de histórias e formação de leitores. A nova geração está bem servida. E ainda há espaço para mais!

Por outro lado, João Scortecci, que por quatro anos fez parte da diretoria da CBL, organizadora da Bienal paulista, previu, em uma carta à Folha, a morte do modelo usado no evento. Segundo ele, o interesse do público leitor caiu. Entre os motivos apresentados estão: estacionamento caro, alimentação cara, ingresso caro, banheiros sujos, barulho excessivo, alto custo para o expositor, desinteresse e falta de preparo de professores, deslocamento difícil e outros.

Sua proposta é espalhar a Bienal por toda a cidade, criando o segmento de LIJ em um canto, livros de arte am outro e por aí vai. Transformar São Paulo na capital cultural do Brasil. É algo a se pensar.

No artigo do mês, falo sobre autores mirins. Os convidados de setembro são Rosana Rios e Cris Alhadeff.


ILUSTRA com Cris Alhadeff

Sou suspeito para falar, mas adoro o trabalho da Cris. Tenho sorte em poder acompanhar sua rotina, desde os primeiros esboços até o produto final. As expressões dos seus personagens são únicas.

A ilustração é para o livro Era uma vez, uns três
(de Telma Guimarães e Cris Alhadeff, Editora Melhoramentos).


Cris Alhadeff é carioca e mora no Rio. A arte sempre esteve presente em sua vida e, seguindo essa paixão, se formou em Desenho Industrial pela Escola de Belas Artes da UFRJ. Trabalhando com design, trilhou os mais diversos caminhos, entre os quais o desenvolvimento de identidades visuais e webdesign. Depois que seus filhos nasceram, redescobriu o mundo da literatura infantojuvenil e publicou seu primeiro livro em 2010. Já são 17 livros com suas ilustrações, fora as antologias.

Em “Era uma vez, uns três”, Cris começou com o estudo de personagens no lápis preto (a imagem finalizada acima é o estudo da avó da história enviado para a editora). Depois criou uma base de tinta acrílica em azul e pintou por cima os diferentes tons de cores. A finalização foi feita com lápis de cor e manipulação de imagem com aplicação de estampa no Photoshop.

Site da ilustadora: www.crisalhadeff.com  


AUTORES MIRINS

Quando voltamos do Salão FNLIJ do Livro de 2009, minha filha, na época com 5 anos, avisou a todos que escreveria um livro também. Nina sempre gostou de inventar histórias e era natural que as quisesse ver no papel. Como na época ainda não escrevia direito, ditou para mim a história de um monstro alienígena que vinha para Terra comer gente. Parece macabro? Bem, o monstrinho era o menor do seu planeta, e seus pais diziam que ele tinha que se alimentar direito. Até hoje minha filha cobra a publicação do livro. Expliquei que não era tão fácil. Que ela tinha muito tempo ainda para decidir se queria mesmo ser escritora. Ela, é claro, não ficou muito satisfeita com minha resposta. Toda vez que lemos sobre autores mirins, lá vem aquele olhar de decepção filial. Afinal a culpa é minha, como não?

Uma coisa é certa. A pouca idade não significa texto pobre. A imaginação e a criatividade infantil é, muitas vezes, ainda maior do que as de adultos preocupados com contas a pagar e prazos a cumprir. Claro, isso não quer dizer que todo texto infantil mereça virar livro. Mas não pode ser surpresa para ninguém que talentos como os de Nina Krivochein, Munna Alexandre, Nichollas Schmidt, Giulia Dell’Aera Serrano do Carmo, Mariene Lino, Caio Pacheco, Beatriz Roscoe, Lorrane Marques de Souza, além das irmãs Laura, Tamara e Marina Klink, surjam e nos encantem.

Nina Krivochein lançou seu primeiro livro, A vaca que não gostava do pasto, em 2011 pela editora Vermelho Marinho. O texto conta a história de Gina, a vaquinha do título, que queria comer jujubas ao invés de capim. Nina tinha sete anos quando, incentivada pela mãe, a escritora  Joana Cabral, partiu em busca de editora. O talento dessa menina já a levou a dar entrevistas em programas de televisão e a ser convidada para eventos literários fora do Rio de Janeiro, sua cidade natal. A autora curtiu o gosto de tinta e agora tem outras histórias prontas para serem publicadas. Além dos livros, Nina escreve resenhas para seu blog, assina a coluna Cultura Infantil no site Tabletes Culturais e comanda o projeto O Pequeno Escritor em escolas do Rio.

Há poucos dias li um artigo em uma das revistas de O Globo, sobre o autor mirim Nichollas Schmidt, que lançou seu primeiro livro, O monstro assassino, no ano passado, quando tinha nove anos. Sua segunda obra, Gabriel & o mistério de Dark Night, pela editora Livre Expressão, é sobre um menino de nove anos em um orfanato. Palmas para ele, que se inspirou nas bruxarias de Harry Potter e na mitologia de Percy Jackson.

Munna Alexandre era uma menina de oito anos quando lançou sua primeira obra, Kiki Gugú Dadá, em 2007 pela editora Crayon. O livro tem um formato inédito, com a história ilustrada pela autora nas primeiras páginas e fundo em branco com o texto em braille nas últimas. O braille foi um pedido de Munna, para que sua prima Yasmin, que nasceu com deficiência visual, pudesse ler. Kiki Gugú Dadá recebeu um prêmio destinado a projetos que beneficiam a inclusão social de pessoas com deficiência e parte das vendas é revertida para o Instituto Benjamin Constant. A história fala sobre uma menina, Kiki, irmã da autora, que se perde dentro de um shopping e serve de alerta para a questão da segurança. Em 2009, Munna lançou o segundo livro, Plinn – Mágica da natureza, de tema ecológico, com o mesmo formato e pela mesma editora.

Dia desses entrei na Livraria da Travessa e notei um livrinho em uma prateleira na altura dos meus olhos. Aprendendo com as estrelas foi o primeiro livro escrito e ilustrado por Giulia Dell’Aera Serrano do Carmo, uma carioca, na época com dez anos de idade. O resultado é uma produção independente, com desenhos feitos em lápis de cor, canetinhas e colagens. O livro conta a história da galinha Laura e do ursinho Bilu e sua viagem à lua. A fonte usada é a própria letra da autora e o lançamento, com pompa a circunstância, foi realizado na Travessa do Leblon.

Outro livro independente é O som misterioso de Mariene Lino, que tinha nove anos quando o lançou no ano passado. A história é muito bacana e fala sobre um menino, Luizinho, que vai ao bar do amigo Joaõzão para comer um sanduíche. Ao chegar no local, vê que o bar está vazio. Parece que os clientes fugiram ao ouvirem um som esquisito que vinha do banheiro. Luizinho investiga e acha um búfalo lá dentro. O pobre animal não tinha onde fazer seu xixi na fazenda. Outra coisa bacana nesse livro é que o ilustrador Caio Pacheco é só um ano mais velho do que a escritora mirim.

Beatriz Roscoe, filha da autora Alessandra Roscoe, também colocou suas cores em livros de LIJ. Seu primeiro trabalho foi publicado pela editora LGE, em 2004, quando tinha cinco anos. Ela ilustrou A menina que pescava estrelas, e foi co-autora do texto com a mãe. Em 2009, o livro ganhou uma nova roupagem, ainda pelas mãos de Beatriz e agora está na Elementar. O jardim encantado é o último trabalho da dupla. Foi lançado em 2007, pela LGE, e dois anos depois entrou para o catálogo da Franco.

Lorrane Marques de Souza é uma mineira de Santa Luzia que, no ano passado, com doze anos, foi uma das premiadas do Prêmio Espantaxim de Literatura e teve seu texto publicado em uma antologia. Essa menina esperta é também uma das cinco finalistas ao Prêmio Bom Exemplo 2011, na categoria Cidadania. Isso porque em 2010 ela criou, em um quartinho de entulhos no fundo da casa, a “Biblioteca Pequeno Aprendiz”, aberta com seus próprios livros para emprestar a amigos. De doação em doação o espaço conta hoje com cerca de 1.300 livros para crianças e adolescentes. Lorrane conta histórias para crianças que visitam a biblioteca e montou kits de leitura para as escolas públicas de sua cidade.

Férias na Antártica (editora Grão) é um diário de viagem escrito por Marina Klink, com dez anos no lançamento, com as gêmeas Laura e Tamara Klink, de treze, na mesma ocasião. O livro é um registro das cinco viagens que as três já fizeram com o pai, Amyr Klink, para o continente gelado. O texto, escrito em linguagem juvenil, traz as impressões das meninas sobre o mundo animal antártico e comentários sobre as tarefas cotidianas da viagem. Segundo as autoras, vem mais livros por aí. É bom ficarmos de olho.

Esses são só alguns exemplos de autores mirins que já conquistaram seu espaço. Quem sabe você não tem um dentro de casa?

É. Acho que vou começar a procurar uma editora para o monstro espacial da minha filha. Alguém se habilita?


ENTREVISTA FOGUETE com Rosana Rios


Quantos livros publicados até agora?
No total, 126. Desses, apenas 3 são didáticos e 2 são de não-ficção, pesquisa (porém dirigidos ao leitor jovem). Os outros são todos obras de ficção para crianças e jovens.

Três livros seus para quem não a conhece?
Um infantil: "O Encafronhador de Trombilácios", pela Ed. Scipione, atualmente um dos meus campeões de vendas. "Pão Feito em casa", meu mais recente juvenil, pela Ed. BesouroBox. E "Sangue de Lobo", Ed. DCL, escrito em parceria com Helena Gomes; é uma aventura policial/fantástica que tem uma legião de fãs fiéis e foi finalista do Prêmio Jabuti...

Nos EUA, nerd era o estudioso desengonçado de óculos, amante de ficção científica que não praticava esportes. Geek era o viciado em aparelhos eletrônicos, games e gadgets em geral. Dork era o bobo que se vestia esquisito, não se enturmava e tinha dificuldade de falar com o sexo oposto. No Brasil, tínhamos o CDF, o aluno mais aplicado e que tirava as melhores notas da turma. Agora, pelo menos aqui, o termo nerd se aplica a todos eles. Afinal, quem não é nerd no século XXI?
A nerdice está se aos poucos desvinculando desses estigmas antigos, que se aplicavam às categorias que você descreveu; quase todos nós somos mais ou menos nerds, encaixando-nos em diferentes categorias da cultura humana - ainda há muitos não-nerds no mundo, é claro, mas em geral quem é curioso e gosta de ler acaba se nerdificando - o que é ótimo neste século, já que está provado que "Os Nerds Herdarão a Terra"!

Luiz Schwarcz escreveu em seu blog sobre a crescente exigência, em eventos, de uma apresentação performática dos escritores, uma classe repleta de tímidos. Você acredita que, em um futuro próximo, o escritor que não se vender, não venderá seus livros?

Isso já acontece hoje: com a prática da pirataria, estimulada por um governo que estimula o desprezo à noção de Direito Autoral, os músicos precisam sobreviver de shows, e espera-se que os escritores façam o mesmo. Como nos transformarmos em performers é impossível, se não houver um reconhecimento de que o Direito Autoral é sagrado e de que é preciso estimular cada vez mais a leitura - pela fruição do prazer de ler - corremos o risco de ver desaparecer o autor profissional, por falta de meios de subsistência, abrindo caminho apenas para oportunistas. E o que será, então, de nossa Literatura? Para haver um "País de Leitores" precisamos de bons escritores, de livros que suscitem a emoção e a reflexão, que levem ao espaço de silêncio no qual a alma mergulha na Literatura - e não de shows substituindo a leitura.

Site da escritora: http://rosana-rios.blogspot.com.br  


***
Este Espaço LIJ foi publicado em seção própria no jornal digital Sobrecapa Literal nº 19Acesse www.sobrecapaliteral.com.br para fazer o download da publicação inteira em formato tabloide.