Monstros em Curitiba

Sempre que o Dia das Bruxas se aproxima, eu recebo fotos de lindos trabalhos com o Condomínio dos Monstros. Esse, da E. M. Rachel Mader Gonçalves, de Curitiba - PR, ficou super bacana. A professora Leticia Aguiar e seus alunos estão trabalhando os gêneros textuais (carta, bilhete, convite) e construindo o condomínio de materiais recicláveis. No final farão uma festa a fantasia.






Arte de Portas Abertas em Santa Teresa

No último domingo participei de um animado bate-papo em Santa Teresa com colegas escritores. Fui convidado pela Livraria Única para o Café com Autor, evento que ocorreu na varanda da Casa Sou.L durante a feira Carioquíssima.

Além da Cris Alhadeff e eu, estavam lá também os escritores Luis Eduardo Matta, Flávia Côrtes e Marcelo Amaral. Foi muito divertido. Autografamos livros, falamos sobre nossas carreiras e rimos um bocado. Seguem fotos:











Casa Sou.L

Essas maravilhosas geringonças

Editora: Franco
Categoria: Infantojuvenil
ISBN: 978-85-7671-182-7
1ª edição: 2014
Encadernação: Grampo
Formato: 14,8 x 21 | 24 páginas
Ilustrações: Anttonio Pereira

O repórter Miguelão Júnior realiza diversas entrevistas no Asilo Eletrônico para uma matéria no Jornal Anil Especial, da Rede Azul. O que pensam os aposentados que lá vivem? Saiba um pouco mais da vida de personagens como o Videocassete, a Vitrola, o Mimeógrafo, a Máquina de Escrever e outros tantos que muito contribuíram para o progresso.

Carta Aberta aos presidenciáveis e demais candidatos a cargos eletivos

OS ESCRITORES E ILUSTRADORES DE LITERATURA PARA CRIANÇAS E JOVENS E AS ELEIÇÕES

A AEILIJ (Associação de Escritores e Ilustradores de Literatura Infantil e Juvenil) representa centenas de autores por todo o Brasil. Somos uma entidade atuante nas feiras do mercado editorial e em inúmeros programas de incentivo à leitura de Literatura, além de atividades beneficentes e solidárias. Nós, autores de Literatura Infantil e Juvenil, dividimos nosso tempo entre o trabalho de criação de nossos livros e o de percorrer colégios e eventos culturais para incentivar crianças e jovens à leitura, não apenas de nossos livros em particular, mas da Literatura como um todo. E fazemos isso com frequência, sempre lutando pela justa remuneração nesse tipo de participação, e conquistando algumas vitórias no sentido da valorização do trabalho autoral. Há anos mantemos a campanha “Autor não é brinde”. Nosso sustento é extraído dos percentuais que ganhamos sobre as vendas dos livros, que nunca ultrapassam os 10% do preço de venda. São nossos Direitos Autorais garantidos por lei. São o que nos confere subsistência em troca de um trabalho árduo de criação e de difusão da Literatura em espaços culturais.

Em passado recente, por iniciativa de órgãos públicos e privados, nós, autores, nos sentimos extremamente apreensivos e ameaçados pelas propostas de revisão da Lei de Direito Autoral, que limitariam a possibilidade de dispormos de nossa produção, dando direito a outros de copiarem livremente nossos livros sem necessidade de licença ou pagamento. Sob o conceito vago de “papel social da arte”, nosso país ameaçou andar na contramão de sociedades mais dinâmicas, fato que desencorajaria e limitaria a produção de conhecimento e, principalmente, de Literatura, de forma livre e democrática.

Entendemos que o “papel social da arte” já é realizado através de editais municipais, estaduais e federais que têm por objetivo a aquisição de acervo para as bibliotecas públicas, estas sim, espaços que precisam ser reconhecidos e ocupados pela população brasileira. Nesse caso, temos percebido o volume cada vez menor de exemplares adquiridos e nos perguntamos: “Se tantas bibliotecas estão sendo instaladas, como é divulgado, não deveriam elas receber acervo?”

Agora, no calor das eleições, a AEILIJ vem convidar os candidatos aos mais altos cargos executivos do Brasil a aprofundar a questão acima e a trazer a público suas propostas com relação ao assunto.

A leitura no Brasil assiste a um momento generoso, em que jovens acorrem espontaneamente a eventos, como a recente Bienal do Livro de São Paulo, e se apresentam como leitores em diversos momentos de nossa vida social. Isso é efeito, entre outros fatores, do trabalho de décadas desses autores, que tanto se empenharam em aproximar a Literatura dos leitores, principalmente crianças e jovens. Acreditamos que a Literatura é um bem humano, que aprimora o espírito e a mente, bem como estimula a fraternidade entre as pessoas e a consciência crítica e cidadã de cada um.

Sem autores não há Literatura. A Literatura desapareceria. Ao atentarem contra a possibilidade de os autores tirarem sua subsistência de seu trabalho, privando-os de seus direitos autorais e confiscando suas obras, essas ações matarão a Literatura Brasileira.

Acreditamos também que uma eleição não deve se resumir ao denuncismo histérico, mas ao confronto de propostas, de projetos, de visões do Brasil.

É por isso que a ASSOCIAÇÃO DE ESCRITORES E ILUSTRADORES DE LITERATURA INFANTIL E JUVENIL pede a seus filiados, aos autores de Literatura de modo geral, e ao público que vê a importância da Literatura em nossas vidas e em nossa sociedade que privilegiem com seu voto os candidatos que apresentarem projetos claros, explícitos em relação à garantia da integridade dos direitos dos autores – os Direitos Autorais -, que se comprometam de fato com a democratização e a disseminação da Literatura bem como de todas as atividades culturais.

Pedimos também a todos os que concordarem com esta carta aberta que a compartilhem, disseminem, divulguem e defendam. Este documento têm o apoio da SIB (Sociedade dos Ilustradores do Brasil), que também representa centenas de autores ilustradores brasileiros, promove eventos, oficinas, exposições, cursos, fóruns, debates, entre outras atividades, colaborando institucionalmente pela arte narrativa visual em diversos segmentos e, em especial, nas publicações literárias de todo gênero.

AEILIJ
SIB

Escola em Cena

Foto do projeto Escola em Cena, com uma garotada de Caxias do Sul vestida para a peça do Condomínio dos Monstros. Superbacana! 
Tomara que o filme vá para o Youtube.


KDP para livros infantis

KDP para livros infantis

PublishNews - 04/09/2014 - Leonardo Neto
Amazon lança programa de autopublicação específico para livros infantis

A Amazon acaba de lançar o KDP Kids, sua plataforma específica para autopublicação de livros infantis. Pelo KDP Kids, os autores poderão fazer o download do Kindle Kid´s Book Creator, que permite importar textos e imagens em diferentes formatos. Ao final da composição do livro, os autores poderão estabelecer os parâmetros de vendas, como faixa etária, escolaridade indicada para que alcance, de forma eficaz, o seu público. Os royalties para os usuários do KDP Kids são os mesmos praticados pela plataforma para livros adultos, podendo chegar até 70% do valor do livro. Também pela plataforma, os usuários poderão escolher participar de programas como o Kindle Unlimited, que dá aos clientes Kindle acesso ilimitado aos livros inscritos no programa.

Eu sou AEILIJ


Fotos da semana literária 2014 da EDEM

No dia 26 de agosto, a Cris e eu nos encontramos com uma garotada esperta da EDEM. Rolou leitura de histórias e um bate-papo sobre futebol, robôs, dragões, monstros, guarda-chuvas, cemitério, chocolate e tudo o que eles tinham direito.

Meus lançamentos e o teto maravilhoso da biblioteca da EDEM.

Tum! Tum! Tum! Tum!




A Cris é sempre um sucesso!

No final da leitura, uma menininha veio me contar que tinha votado na leitura de outra história minha, mas que ficou feliz de ouvir o "Folclore de chuteiras". Me disse que "adorou muito" o livro.

Bip!

Com a sempre bacana Sônia Travassos e o Thomas.


Folclore de Chuteiras no Brincadeiras Literárias

22/08/2014
A página "Brincadeiras Literárias", hospedada no Facebook, fez uma das resenhas que mais gostei para o "Folclore de chuteiras".

Segue o que a Fabi Cunha escreveu:

FOLCLORE DE CHUTEIRAS é um livro delicioso para esses públicos: 
- o que adora futebol;
- o que não gosta (ou não entende) de futebol;
- o que não liga a mínima para futebol

É um livro muito divertido e interessante: a diversão vem logo ao vermos que ele reproduz uma partida de futebol (igualzinha às reais!!) em todos os seus momentos: os repórteres e comentaristas falando sobre a escalação de cada time, entrevistas (ou tentativas de) à beira do campo, depoimentos (manjadíssimos!!) dos jogadores, narração de cada jogada... 

E se nas partidas verdadeiras os locutores e comentaristas falam sobre o clube e o desempenho de cada jogador, aqui são as características e histórias de cada um dos lendários personagens que são comentadas a cada jogada. 

Mesmo os leitores pouco afeitos ao mundo futebolístico (como eu!) vão se sentir “em casa”, pois é quase impossível não termos ao menos ouvido a narração de uma partida. E é com esse sentimento de “em casa” que somos apresentados a dois times da pesada: o do Brasil tem jogadores vindos de todas as regiões do país e o do resto do mundo reúne feras de diferentes lugares. É de deixar a perna bamba!! 

Gente: eu consegui “ouvir” toda a partida durante a leitura! Foi até engraçado, pois é tudo tão perfeitamente narrado que podemos visualizar a partida toda, a agitação na arquibancada... 

E é claro que as ilustrações – muito coloridas e vibrantes, condizentes com o espírito do jogo – ajudam muito a entrarmos nessa aventura no campo. 

Um livro que nos permite o despertar de um gostinho pelo futebol e (re)conhecer muitas curiosidades sobre o folclore mundial. 

No final dele, um simpático glossário: ‘cards’ que apresentam cada um dos escalados nos dois times, falando um pouco de sua história. Praticamente um álbum completo de Copa do Mundo. 

(Obs: toda a narração é ótima, mas o que achei mais genial foi o modo como o Alexandre descreveu o “desenvolvimento” dos jogadores em campo, deixando nas entrelinhas a história deles. Ou será que existe jogador mais apropriado do que o Minotauro para ultrapassar “um labirinto de jogadores”?) 

Folclore de chuteiras
Texto: Alexandre de Castro Gomes
Ilustrações: Visca
Editora Peirópolis

Fonte:
https://www.facebook.com/brincadeirasliterarias/photos/a.202775396551373.
1073741828.202374969924749/335345876627657/?type=1

Árvore de muitos contos


Recebi um e-mail e uma foto do Zé Henrique Alves de Castilho, Encontador de Histórias e Bibliotecário Infantil do Colégio La Salle Caxias, de Caxias do Sul - RS.

O Zé Henrique me disse que todos gostaram tanto de "O menino que coleciona guarda-chuvas" que agora ele está sendo contado em outras escolas da região.

Segue a foto que ele fez da Árvore de Muitos Contos, com guarda-chuvinhas de tecido.

Bom, né?

19/08/14 - Folclore de chuteiras no Esconderijos do Tempo

19/08/2014
Resenha superbacanapacas da jornalista, autora de LIJ e ex-editora de educação e cultura da Revista Crescer, Cristiane Rogerio, no site Esconderijos do Tempo.

Obrigado, Cris. Falou bonito!

http://esconderijos.com.br/folclore-de-chuteiras/

Amigos de dragões

Presentes de agosto: 


Glaucia e Laura (Niterói)


Ryan (Inglaterra)


Gabriel (um dos 'roedores' de Brasília)

A bola ou a menina?

Editora: Melhoramentos
Categoria: Infantil
ISBN: 978-85-06-07591-3
1ª edição: 2014
Encadernação: Brochura
Formato: 24x17 | 40 páginas
Ilustrações: Sergio Magno

• "La pelota o la niña?" é um dos 90 títulos recomendados pelo Prêmio Fundación Cuatrogatos 2017, concedido a escritores e ilustradores ibero-americanos.
Foram mais de 1000 livros enviados por 175 editoras de 20 países e somente quatro títulos de autores brasileiros no catálogo desta edição do prêmio.

Eis o grande dilema do menino: Ser feliz com a menina ou ser feliz com o futebol?
Um texto que trata com criatividade a difícil escolha entre duas paixões.
O livro ainda reserva uma surpresa: Conforme a sequência da leitura, um final diferente se revela.


Entrevista para o Livro Vivo

Em 21/05/14 gravei entrevista para o quadro "Livro Vivo" (da Estação Brincadeira da Rádio MEC AM 800 kHz) no Colégio Brasileiro de São Cristóvão. O livro em destaque foi o "Aniversário no cemitério", da Escrita Fina.

O programa foi ao ar em 09/08/14.