Compre livros na Black Friday!

Hoje é o Black Friday. Dei uma rápida olhada e achei alguns livros meus com precinhos super camaradas. Boa oportunidade para completar a coleção ou para adiantar as compras de Natal das crianças da galera.

Aliás, presentear adultos com livros infantis e juvenis é uma ótima ideia, sabia? Afinal, se procurarmos na memória, muitos dos livros que nos marcaram foram lidos na infância. E tem mais. Além de espalhar cultura, você ainda tira uma onda de intelectual.

Olha o que achei:
O juvenil "Chapa Verde" está por R$11,56 na Americanas.
"O Corvo e o Dragão" sai por R$12,54 na Americanas.
"Histórias a Quatro Patas" está R$23,84 na Americanas (era R$38,90).
O lançamento "A bola ou a menina?" custa só R$23,90 no Ponto Frio.
Também no Ponto Frio tem "O menino que coleciona guarda-chuvas" por apenas R$17,90 (mesmo preço na Amazon).
"Folclore de Chuteiras" por R$27,30 (era R$39,00) na Cia. dos Livros.

Vamos lá moçada! Quero autografar um monte de livros neste Natal! 

A promoção só é válida para hoje!

Seguem os links:




Pela Defesa da Liberdade de Criação na Literatura

Carta aberta da AEILIJ (Associação de Escritores e Ilustradores de Literatura Infantil e Juvenil).
Vale a reflexão.


Pela Defesa da Liberdade de Criação na Literatura

A AEILIJ (Associação de Escritores e Ilustradores de Literatura Infantil e Juvenil) convida todos a refletirem sobre uma realidade que nos tem assustado: a volta da censura aos livros infantis. E, o que é, talvez, ainda mais preocupante, uma censura que, desta vez, não é promovida por nenhum governo, mas por pessoas que, a princípio, têm o papel de levar a literatura até as crianças: professores, bibliotecários, coordenadores pedagógicos, editores, livreiros, divulgadores de livros, pais, avós, tios e, como negar, até mesmo por alguns de nós, autores de literatura para crianças e jovens.

Para um olhar desatento, a palavra censura pode parece forte demais. Afinal de contas, parece ser coisa de países com regimes autoritários e centralizadores, como por exemplo, o Paquistão, cuja Autoridade de Telecomunicações recentemente enviou um comunicado às companhias telefônicas exigindo o bloqueio de qualquer mensagem (SMS) que contivesse o nome "Jesus Cristo". Para justificar tal censura, o órgão alegou que a liberdade de expressão naquele país está sujeita a restrições, no interesse maior da glória do Islam.

Se esta proibição parece absurda e distante, chegou o momento de olhar para o nosso próprio umbigo, pois o que está ocorrendo hoje em muitos locais, no Brasil não é muito diferente. Cada vez mais a AEILIJ tem recebido notícias de que determinados livros de literatura para crianças e jovens são vetados em certas escolas e/ou bibliotecas porque citam o nome de deuses ligados a outras religiões que não a religião adotada na instituição. Referências a nomes ou práticas de religiões afro-brasileiras, espíritas, budistas ou outras são usadas como justificativa para a censura.

Em outros casos, o fato de existir, no livro, uma palavra como "diabo", "capeta" ou semelhante, é tido como razão suficiente para a exclusão de um livro, independentemente do contexto e da motivação em que tal palavra aparece. Tal postura radical e extremada parece esquecer que a própria Bíblia Sagrada traz mais de 100 vezes a palavra Demônio (ou alguma de suas variações), quase todas no Novo Testamento. Em breve estará a Bíblia na mira dos censores furiosos?

De maneira semelhante, têm sido perseguidas, recentemente, obras com palavras e personagens de todos os tipos, da bruxa à fada, do saci ao bicho papão, do Papai Noel à boneca Emília, do palavrão à gíria. A AEILIJ tem visto tais iniciativas com muito receio e consternação, assim como preocupa a imposição frequente de excluir temas, como principalmente a sexualidade, de uma literatura que tem como inspiração dialogar com crianças e jovens.

Há o outro lado, a frase da garota Malala que recentemente ganhou o Prêmio Nobel da Paz e declarou: “Já sei agora o que mais assusta um tirano: uma menina com um livro nas mãos”. Ela tem 17 anos e é a mais nova ganhadora do Nobel de todos os tempos.

Ora, nossa associação acredita na literatura como arte e como expressão de tudo o que é próprio do ser humano, seus dilemas e dúvidas, suas paixões e medos, suas conquistas e frustrações. Mais que isso, entendemos que a literatura para crianças e jovens é um espaço privilegiado para que o leitor conheça a pluralidade do nosso mundo, toda a riqueza de valores, culturas, crenças, ideias, hábitos, linguajares.

Se aceitarmos que um livro de literatura seja banido porque traz uma visão de mundo com a qual não compartilhamos – ou nem isso, apenas uma palavra que evitamos em nosso dia-a-dia, na privacidade do nosso lar – estaremos abrindo a porta para que outras pessoas, em outros momentos e em outros contextos políticos, ideológicos, religiosos ou morais proíbam as palavras, personagens e histórias que tanto nos são caros.

Mais cedo ou mais tarde, o feitiço vai virar contra o feiticeiro. Mas infelizmente ninguém vai perceber, pois as palavras feitiço e feiticeiro estarão, elas também, proibidas.

PELA DEMOCRATIZAÇÃO DA LITERATURA!!!

II FLI Serrana no Portal Terê

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

II Festa Literária da Região Serrana

...Com relação às oficinas e encontros com autores, a II Fli estará recheada de nomes consagrados da literatura, como Cristina Villaça, Alexandre Gomes e Glaucia Lewicki, entre outros. Destaque também para o Sarau Poesia, com leitores da Estação das Letras e do Paiol de Histórias do Sítio Boa Liga...

Fonte: 

Entrevista para a Revista Crescer


Fui convidado para dar uma entrevista para o site da Revista Crescer e soube hoje que ela foi ao ar. Quero agradecer à Marina Vidigal pelo carinho e mandar um beijo para todos os leitores da revista.


Alexandre de Castro Gomes: literatura em família
Por Marina Vidigal - atualizada em 14/11/2014 13h31


500 seguidores no Facebook

No começo do mês passado resolvi divulgar minha página profissional no Facebook. Não tinha ninguém lá. Hoje, 45 dias depois, já são mais de 500 curtidas. 

Pensarei em alguma promoção super maneira para quando chegar em 1000. Aguarde!



Terê terá!


A ilustração como ferramenta de comunicação

Encontro com os ilustradores Raúl Arias, da Espanha, e Cris Alhadeff, do Brasil-sil-sil.
Quinta-feira que vem. Free. Imperdível. Eu vou.

II FLI Serrana - Programação

Saiu a programação da II FLI Serrana que acontecerá no próximo dia 29, na Casa de Cultura Adolpho Bloch em Teresópolis!


Segue também a carta de apresentação da curadora do evento, Andrea Viviana Taubman.

"Amigos:

São tantas pessoas bacanas e do Bem envolvidas no trabalho de preparação da festa!

A partir de arte original presenteada pelo Junião Oo (#Charge_Junião), a Anna Barbara, da Editora Rovelle, montou o cartaz.

A produção do evento é do Marcelo Pellegrino.

O Arnaldo Almeida, Secretário de Cultura de Teresópolis vai estar na abertura, comigo, com a Cristina Villaça representando a AEILIJ (coordenadora regional, que também contará histórias para as crianças e na homenagem à Flávia) e com o presidente da Academia Teresopolitana de Letras, Delmo Ferreira.

A Regina Carmela, assessora do evento, vai levar a turma do CIA José Francisco Lippi para declamar o poema "Dragons" de um dos alunos premiados no último concurso do colégio.

A Secretaria de Cultura de Teresópolis, que vai levar música e circo para o evento, está abrindo a Casa de Cultura Adolpho Bloch - espaço público dedicado às diferentes expressões artísticas e culturais - para a II FLI Serrana e está dando total apoio desde o início.

Nas mesas, um timaço de autores da Literatura Infantil e Juvenil que curtem dragões e Flávia: Alexandre de Castro Gomes, Glaucia Lewicki, Cris Alhadeff, Thais Linhares, Mauricio Veneza e a própria Flávia Savary, mediados por Antonella Flavia Catinari e Miriam Ribeiro. 

Na homenagem, Flávio Carneiro, Rosa Amanda Strausz, Ana Maria de Andrade e Lucia Marcatti.

Como já é tradição nos nossos eventos, Eline Dantas vai comandar as oficinas de artesanato para a criançada.

Para os docentes, o José Prado vai contar os segredos da arte de contar histórias sem recursos cênicos.

O Poesia no Parque vai subir a serra e fazer um sarau lindo juntando os leitores da Estação das Letras com as crianças do Paiol de Histórias da Casa Lygia Bojunga de Pedro do Rio, para ler o roteiro amorosamente preparado por Miriam Ribeiro, Ninfa Parreiras e Rachel Facó com participação especial de Laura Sandroni.

As meninas do Projeto Autores Mirins, Nina Krivochein e Mariene Lino, conversarão com a garotada e a turma do Centro de Ensino Serrano apresentará obras da Flávia.

O Grupo Teatral Povo do Cafundó fará uma leitura especialíssima de "A rosa que gira a roda", peça da nossa homenageada.

E no final? Jujuba e Ana Nogueira irão comandar a ciranda com um show de primeira!

A querida autora Flávia Savary, nos seus 40 anos de dedicação à literatura, merece todo nosso carinho e admiração e esta II FLI Serrana de presente.

Vamos festejar juntos!"

Andrea Viviana Taubman
Escritora, curadora e idealizadora da II FLI Serrana.

Literatura Viva - SESI-SP

No começo deste mês visitei quatro unidades do SESI-SP para mais uma série de encontros literários. Desta vez fui à Itapira, à São João da Boa Vista, à Tambaú e à Mococa.

Fui muito bem recebido pela Rosana em Itapira. A biblioteca deles tinha quatro dos meus livros, o que me deixou feliz. A turma estava animada. Lá conheci a Fernanda Godoy, agente de Atividades Culturais do Centro de Atividades SESI MOGI GUAÇU.

Uma turminha de umas cento e vinte crianças interessadas em ouvir historias e contar suas próprias me aguardava em São João. No final, ainda ganhei um presente bacana da bibliotecária Solange e da diretora Fabiana.

O bibliotecário Rodrigo me apresentou uma turma super educada em Tambaú. Mãos levantadas quando queriam falar. Participativos. Nos divertimos muito.

A Silvânia, de Mococa, me recebeu com alegria. Já estava quase tudo preparado do lado de fora da biblioteca para a nossa conversa. Um cumprimento ensaiado pelas crianças começou o encontro. Aos poucos foram se soltando e relaxaram. Conversamos, lemos juntos e criamos personagens.

Adorei tudo! Seguem fotos:

Itapira

Itapira

Itapira

Itapira

Itapira

Itapira

Itapira

São João da Boa Vista

São João da Boa Vista

São João da Boa Vista

São João da Boa Vista

São João da Boa Vista

São João da Boa Vista

São João da Boa Vista

Tambaú

Tambaú

Tambaú

Tambaú

Tambaú

Tambaú

Tambaú

Mococa

Mococa

Mococa

Mococa

Mococa

Mococa

Mococa

Dia das Bruxas em São José dos Pinhais

Olha que bacana foi o Dia das Bruxas com contação de histórias pela professora Cris Guimarães em São José dos Pinhais. Rolou "Aniversário no cemitério", "Condomínio dos Monstros", "O porteiro do Condomínio dos Monstros"... Teve até a montagem do já famoso prédio roxo da Rua Mortinho da Silva número 13.



Brasil: Incontáveis Linhas, Incontáveis Histórias

Exposição Brasil: Incontáveis Linhas, incontáveis histórias no Rio de Janeiro até fevereiro de 2015


A exposição Brasil: Incontáveis Linhas, incontáveis histórias, com curadoria da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil e da Fundação Biblioteca Nacional, foi aberta ao público dia 24 de outubro, no Espaço Cultural Eliseu Visconti, da Biblioteca Nacional, centro do Rio de Janeiro. A mostra conta com 70 ilustrações de 55 artistas, apresentadas na Feira de Bolonha que teve o Brasil como país homenageado, e imagens de ilustradores pioneiros, como Debret e Rugendas, do acervo da Biblioteca Nacional.

Exposição Brasil: Incontáveis Linhas, incontáveis histórias
Biblioteca Nacional
Espaço Cultural Eliseu Visconti
Rua México, s/no. (entrada pelo jardim), Centro
Horário de visitação:
Segunda a sexta-feira – 10h às 17h
Sábado – 10h às 14h


Com as ilustradoras Luciana Grether Carvalho e Cris Alhadeff na abertura da exposição.

Festa monstruosa

Ghosts will float right through the air!
Witches on broomsticks will give you a scare!

Olha que barato que foi a festa da E. M. Rachel Mader Gonçalves, de Curitiba - PR. Alunos e professores aproveitaram o livro "Condomínio dos Monstros" para criar uma festa temática, com fantasmas e bruxas babando por um delicioso bolo de meleca de sapo.
Deu vontade de estar lá com eles.