PNAIC 2012


O "Condomínio dos Monstros", meu livro pela RHJ com ilustrações da Cris Alhadeff, foi um dos 75 livros de LIJ escolhidos pelo Governo para o PNAIC - Pacto Nacional de Alfabetização na Idade Certa, um programa cujo objetivo imediato é a alfabetização em Língua Portuguesa e Matemática, até o 3º ano do Ensino Fundamental.

Serão mais 143 mil cópias do Condomínio distribuídas pelas escolas de todo o Brasil. Juntando com as 56 mil cópias do PNBE e as 6400 cópias do Programa Minha Biblioteca de São Paulo, o Condomínio dos Monstros já bateu 200 mil cópias, fora as outras vendas para escolas e livrarias. Hip! Hip! Hurra!

Encontro de autores na Lagoa

No último dia 20, diversos escritores e ilustradores de literatura infantil e juvenil se reuniram na Lagoa (Rio de Janeiro) para celebrar o final de ano com muita festa, livros e abraços. Vieram autores do Rio, de São Paulo, do Paraná e de Brasília. Foi uma noite muito divertida que contou até com um amigo oculto literário e uma super foto do grupo inteiro, emoldurada pelo belo visual da Lagoa Rodrigo de Freitas. O encontro do ano que vem já está marcado. Até lá!

A autora Simone Pedersen com Nina e Guigo.

Em sentido hirário: Naná Martins, Thais Linhares, Marcelo Pimentel, Luiz Antonio Aguiar, Rogério Andrade Barbosa, Anna Claudia Ramos, Cristina Villaça, Fernanda de Moraes Machado, Sandra Pina, Anielizabeth e Jô Oliveira.

Mauricio Veneza, Edna Bueno, Sandra Ronca e Cris Alhadeff.

Simone Pedersen, Thais Linhares, Zé Zuca, Marcelo Pimentel e Sonia Rosa.

Jô Oliveira, Sandra Pina, Anielizabeth, Anna Claudia Ramos, Eliana Martins e Alexandre de Castro Gomes.

Marilia Pirillo, Sandra Ronca e Cris Alhadeff. A piada deve ter sido boa!


Luiz Antonio Aguiar, Mauricio Venaza, Alexandre de Castro Gomes e Rogerio Andrade Barbosa.

Eliana Martins, Mauricio Veneza, Alexandre de Castro Gomes, Simone Pedersen e Ingrid Osternack

Preparativos para a foto do grupo.

Foto dos autores de LIJ.

Foto da galera.

Nina e Sandra Ronca.

O amigo oculto da Sonia Rosa é...

Sandra Lopes e Adriano Renzi.

Outra piada boa.

E o pessoal não parava de chegar.

Sabrina, JP Veiga, Thais Linhares, Ingrid Osternack e Alexandre.

Rogério, de costas, e a risada da Marilia.

Cris Alhadeff e Georgina Martins.


Edna Bueno anuncia seu amigo oculto.


Luiz Antonio Aguiar e Sandra Pina.

Alex e Sandra Lopes.

Boas festas!


Ler é Viver


O projeto Ler é Viver é show! Fiquei envaidecido em saber que de todos os livros que o pequeno campeão Davi leu, o que ele mais gostou foi o "Viagem Espacial Interativa", que publiquei pela RHJ. 
A tortinha a que ele se refere na matéria é de cerangoesa (uma mistura de cereja, morango e framboesa, que cresce nos campos de Marte).
Parabéns ao Davi, à Escola Estadual Sarah Kubitscheck e ao Instituto Gil Nogueira!

...Entre os diversos livros lidos por Davi, o que ele mais gostou foi ‘Viagem Espacial Interativa’, do autor Alexandre de Castro Gomes. “O livro fala sobre algumas crianças que aprenderam sobre os planetas nas aulas de ciências. Depois, eles criaram uma nave espacial e viajaram para vários planetas. Em cada planeta eles comeram um tipo de comida. Em um foi uma rosquinha, em outro um mingau. Em Marte foi uma torta de uma fruta que tem lá, mas eu esqueci o nome”, comenta Lucas...

Guarda-chuvas na LilicaeTigor

"O menino que coleciona guarda-chuvas" é a indicação de leitura de dezembro do blog Lilica & Tigor, do grupo Marisol.

Sobrecapa Literal - Dez/2012


Está no ar o jornal digital Sobrecapa Literal de dezembro de 2012!

Minha coluna, Espaço LIJ, traz 3 convidadas super legais: a escritora Sandra Pina, a ilustradora Taline Schubach, e a atriz e escritora Cristina Villaça, que assina o artigo do mês. O download é gratuito! Divulguem e convidem novos assinantes.

Alunos interpretam o Condomínio dos Monstros

Fiquei sabendo de três apresentações recentes do Condomínio dos Monstros por crianças gaúchas e mineiras. Estou muito contente. Espero que tenham se divertido muito. Abraços à todos os participantes!

A primeira foi no último dia das bruxas, através do PROETI - Projeto de tempo integral na escola -, desenvolvido pela Secretaria Estadual de Educação de Minas Gerais e instalado na Escola Estadual Dr. Humberto Sanches, de São Lourenço - MG.

A segunda foi no dia 21 de novembro, durante o Programa Crianças e Jovens do Rio Grande Escrevendo Histórias, e foi encenada por alunos do Instituto Estadual de Educação Dr. Carlos Vidal de Oliveira, de Santana do Livramento - RS.

A terceira foi no último dia 29 de novembro, quando alunos da EMEF João Baptista Jaeger, de Novo Hamburgo - RS, apresentaram o Condomínio dos Monstros durante a 30ª Feira Regional do Livro de Novo Hamburgo - RS.

Espaço LIJ - Dezembro de 2012

Bem, depois de viajar para Curitiba e Olinda, de lançar um livro e de participar de um bate-papo em uma escola no Rio de Janeiro, eis que pinta uma entrevista em São Paulo na última semana de novembro. Cadê tempo para terminar a coluna?

O tempo pode ser curto, mas graças à LIJ, os amigos são muitos. Embora dezembro seja um mês fraco para eventos, trago aqui convidados de primeira linha. Craques das teclas e dos pincéis que encantam a todos nós com sua criatividade. Meu presente de Natal para vocês:

Na Ilustra, diretamente de Barcelona para as páginas do Sobrecapa: Taline Schubach!

Na Entrevista Foguete, minha amiga e super escritora: Sandra Pina!

No Artigo do Mês, um texto de uma convidada muito querida, a artista Cristina Villaça!

Palmas que elas merecem!


ILUSTRA com Taline Schubach

A Taline é uma figuraça. Quem acompanha suas publicações se diverte com seu rico senso de humor e é arrebatado pelo seu talento com cores e formas. Seus personagens estão entre os mais expressivos que já vi. Sou fã mesmo.

As imagens abaixo são etapas do processo da criação do livro Foi o coelho! (nome provisório), que será lançado pela Callis em 2013. É o primeiro livro com texto dessa artística super simpática, que há cinco anos trabalha com ilustração editorial.

  
Taline Schibach é carioca e vive em Barcelona. Segundo ela, para o livro acima mencionado, “a técnica utilizada foi a aquarela (Schmincke), com contornos feitos a bico de pena em tinta chinesa siena. Há um pouquinho de grafite também. A primeira foto é na mesa de luz, onde passo o rascunho para o papel final, de aquarela - nesse caso um Fabrianno 100% algodão. Ao lado, uma foto do processo e outra da ilustração mais próxima do trabalho final.




UM QUIPROQUÓ EM OLINDA
Cristina Villaça

Acabo de chegar de Olinda, onde participei da VIIIª FLIPORTO, a grandiosa Festa Literária Internacional de Pernambuco. Com a presença de 90.000 pessoas, segundo estimativa dos organizadores do evento, a festa é, na realidade, a culminância de um projeto cultural muito mais amplo, pois tem o compromisso de atuar na formação de leitores, na valorização do livro e da cultura literária.

A edição de 2012 da FLIPORTO trouxe como tema o teatro: A vida é um espetáculo, e o grande homenageado foi o escritor pernambucano Nelson Rodrigues. Fui chamada a apresentar meu trabalho de escritora de livros para crianças, assim também como vários outros colegas, e a atuar na FLIPORTO CRIANÇA ministrando minha oficina de teatro para iniciantes, a OFICINA QUIPROQUÓ.

Ainda estou desfazendo as malas, tanta bagagem eu trouxe...

Creio que meu livro Quiproquó: jogos de teatro na Educação Infantil (Editora Ao Livro Técnico), que lancei durante o evento, caiu como uma luva no tema da festa. Tanto que pude comprovar tudo o que digo no livro com a oficina que dirigi durante o evento. Compareceram cerca de vinte crianças de cinco a dez anos acompanhadas de seus familiares em uma manhã de domingo ensolarado e muito quente. Quase todos os adultos que foram deixar suas crianças na tenda destinada às oficinas, na Praça do Carmo, decidiram ficar e assistir minha aula. Foi mesmo muito divertido!

O fascínio que o teatro desperta em alunos de quaisquer idades justifica-se pelo evidente teor lúdico da atividade, mas não posso deixar de me referir ao desejo de algumas crianças, desejo muitas vezes estimulado por seus pais, de se tornarem atores e atrizes de televisão. Esse comportamento é um reflexo do exagerado culto às celebridades que presenciamos em nossos dias. Mas para mim, educadora desde o comecinho dos anos oitenta, o teatro e as aulas de teatro atuam com eficácia e rapidez na formação de leitores.

Ora, teatro é também literatura: conta-se uma história, mais ainda, vive-se uma história, mesmo que temporariamente. Não conheço melhor disparador de leitura que uma boa história. Minha oficina QUIPROQUÓ é tão somente isso: um processo que encontrei ao longo de minha carreira para estimular a leitura e o fazer artístico em geral. Foi a fórmula que encontrei para fazer a minha parte na árdua tarefa de educador que é operar positivamente na formação de indivíduos criativos e investigativos, atuantes na sociedade de maneira competente e digna.


Quem chega desavisado à minha aula pode ter a impressão de que tudo não passa de uma bagunça, um alvoroço, uma verdadeira babel onde as crianças falam alto, se movimentam e até se arrastam pelo chão. Mas quem está envolvido no processo sabe perfeitamente que tudo faz sentido. O que faço é dividir a turma em grupos e propor um desafio a cada um deles, ou seja, proponho um jogo teatral. O desafio nada mais é do que uma história sem final. O improviso e a interação entre os alunos irá solucionar, ao longo de alguns minutos, a proposta inicial.

As aulas de teatro são o lugar da fantasia e da imaginação. Assim, uma tenda quase vazia, com poucas cadeiras e uma mesa, vira palco de devaneios coletivos: um castelo, uma floresta, um navio de piratas. Enfim, as aulas de teatro são um ambiente mágico e acolhedor onde a única regra é o respeito às diferenças, um lugar onde a criação flui sem censuras. Para mim, a educação pela arte tem importância essencial no universo da criança uma vez que pode constituir um meio de experimentação e expressão criativa.
Em teatro, na comédia, o quiproquó acontece quando uma confusão é formada a partir de uma série de equívocos, daí explodem o riso e a gargalhada. A alegria que o público experimenta ao assistir um espetáculo cômico representa mais que diversão, mas, sim, interação, comunhão. Minha oficina pretende ser, então, uma confusão criativa, uma alegria coletiva, uma comunhão entre prazer e educação.

Sabemos que educação não se faz apenas em casa, ou na escola, mas nas ruas, nas cidades, no dia a dia, na comunhão entre as pessoas. Sabemos que a responsabilidade de educar e formar leitores não é privilégio de pais e educadores, mas de escritores, produtores de cultura, e, mais ainda, do poder público. Na FLIPORTO vi, de fato, acontecerem educação e cultura.

Ensinei e aprendi. Ri e me emocionei. Cresci. Na bagagem que trouxe de Olinda, veio a certeza de que educação de qualidade também se faz na praça.

Cristina Villaça atua como educadora e contadora de histórias há mais de vinte anos. É professora de literatura e teatro. É escritora de livros infantis e livros para educadores. Tem mestrado em Literatura Brasileira e especialização em Literatura Infanto-juvenil.


ENTREVISTA FOGUETE com Sandra Pina

Quantos livros publicados?
Em torno de 26 ou 27.

Três livros seus para quem não te conhece?
O pano de boca - Cortês
As muitas versões de um mesmo beijo - Larousse
Que dia é hoje / Um, dois, feijão com arroz - Zit

Qual a maior diferença entre escrever para crianças, escrever para adolescentes e escrever para adultos?
Eu acho que a grande diferença está na linguagem que você utiliza: o tipo de discurso que você vai usar, a forma como os temas são abordados. Por exemplo, em um livro para adolescentes ou adultos, eu posso usar recursos como um flashback. Já no livro infantil, esse tipo de artifício não é recomendado.

Alguns anos atrás, havia várias coleções juvenis cuja sinopse invariavelmente girava em torno de pequenas turmas de jovens investigadores. Cito como exemplo a Turma do Gordo, de João Carlos Marinho, a Turma do Posto Quatro, de Hélio do Soveral, O Clube do Falcão Dourado, de Gladys, Or Irmãos Encrenca, de Stella Carr, entre outros. Os textos policiais para jovens se esgotaram? Além da coleção ecológica “Os Recicláveis”, de Toni Brandão, e do estilo “Fala sério”, de Thalita Rebouças, o que mais há? 
Eu acho que os textos policiais não se esgotaram. Continuam bem vivos e é um gênero que o adolescente gosta muito. Claro que, hoje em dia, temos que utilizar outras ferramentas, até porque a tecnologia nos permite isso. Precisamos pensar no universo do leitor: o que ele conhece. Tem coisas legais sendo criadas e tem coisas muito ruins também. Eu acho que existe uma diferença de foco de mercado. As editores não investem pesado em mídia nem em marketing de ponto de venda. Hoje, o grande comprador das editoras é o Governo. O Governo não se compromete com a compra do volume 1, 2 e 3. Por isso o investimento nesse tipo de coleção é menor. Pode-se comprar livros com os mesmos personagens, mas não necessariamente é a mesma coleção.

Defina o que a AEILIJ representa para você.
O autor trabalha sozinho. A AEILIJ é um ponto de encontro que pode resultar em grandes benefícios para os associados. O contato mais próximo entre os autores resulta em troca de ideias e nessa troca, você descobre questões em comum.

Site do escritor: http://www.sandrapina.com.br

***
Este Espaço LIJ foi publicado em seção própria no jornal digital Sobrecapa Literal nº 22Acesse www.sobrecapaliteral.com.br para fazer o download da publicação inteira em formato tabloide.

A "LIJ" da Justiça

Começou com uma brincadeira. J. P. Veiga, escritor e ilustrador carioca, apelidou Antonio Nunes, o Tonton, autor e coordenador da AEILIJ em Pernambuco, de Oxentman, o paladino do sertão.

Danilo Marques, ilustrador paulista, gostou e colocou o herói no papel. Depois enviou para a lista de autores da AEILIJ. Elogios e agradecimentos foram trocados. A autora mineira Angela Leite de Souza sugeriu que o Danilo fizesse outras caracterizações de autores de LIJ. Daniloflash, rápido como um raio, criou então a "LIJ" da Justiça, onde transformou autores da diretoria e coordenadores das regionais da associação em heróis de quadrinhos. Ele promete não parar e que vai homenagear outros colegas. Disse ainda que talvez faça uma animação para o Youtube. Já pensou? Seria o máximo! 

Parabéns ao Danilo Marques por esse trabalho divertido. E obrigado pela homenagem. Muito bacana isso!

Eu me tornei o COLECIONADOR DE GUARDA-CHUVAS. A Thais Linhares é a VINGADORA DOS DIREITOS. Rosana Rios é LADY TOLKIEN. Aliás, é melhor parar de entregar as identidades secretas da galera, não é? Será que vocês conseguem descobrir quem são?




SESI-SP / Leitura Viva 2013

O SESI-SP (Serviço Social da Indústria) patrocina eventos culturais em cidades de São Paulo. Todo ano é realizada uma seleção de projetos artísticos que se alinhem à proposta da entidade de democratizar o acesso à cultura e formar plateias para as artes cênicas, música e literatura. 

Os autores interessados podiam se inscrever no programa para ministrar oficinas literárias, contar histórias ou participar de encontros de escritores e ilustradores com jovens alunos e/ou estudantes de EJA. 

As inscrições para 2013 ocorreram até o último dia 12 de outubro e o resultado saiu na primeira quinzena de novembro. Foi com alegria que soube que fui selecionado, junto com vários colegas das letras e cores.

Serão quatro encontros literários. São Paulo, me aguarde! \o/

FLIMC na Escola Municipal Manoel Cícero - RJ

Nasceu a FLIMC, a Feira Literária da Escola Municipal Manoel Cícero, que fica logo ali no Baixo Gávea, no Rio de Janeiro. Tive a felicidade de ser convidado, assim como os colegas Denise Crispun, Sandra Lopes e Cris Alhadeff, para um bate-papo literário com alunos da instituição. Todos estavam muito interessados na conversa descontraída e a galera fez um monte de perguntas. Criamos histórias juntos e tiramos algumas fotos bem legais. Um evento muito bacana. Agradeço ao amigo e educador Tuka Almeida pelo convite e desejo vida longa à FLIMC!