4 dicas que irão alavancar a sua história

Ôpa! Ôpa! Deixa eu passar uma vassoura na casa, limpar o banheiro, preparar um suco com biscoitos e esconder a bagunça das crianças no armário. Hoje tem visita importante no Blogão. 

Dando prosseguimento ao blog tour de lançamento do livro "Anete, nariz de chiclete", a escritora (e etc.) Ronize Aline fez uma listinha esperta de dicas para quem quiser dar uma turbinada no seu texto. São indicações preciosas de quem sabe o que está falando. 

***


4 dicas que irão alavancar sua história 

Assim como qualquer outro ofício, a escrita conta com técnicas e processos que são utilizados para torná-la ainda mais envolvente e inesquecível. Cada escritor tem sua própria bagagem criativa, que pode aumentar à medida que busca desenvolver novas formas de contar histórias. Para contribuir com o seu processo de criação literária, apresento abaixo quatro dicas que ajudam a alavancar uma narrativa ficcional. 

1. Estruture a sua história. 
Embora para muitos possa parecer perda de tempo ou inútil estruturar a história antes de começar a escrevê-la, há um bom motivo para apostar no contrário. A ideia de elaborar uma narrativa a partir de uma estrutura pré-estabelecida não foi criação de alguém sem nada para fazer, mas surgiu da observação e estudo de narrativas lendárias e mitológicas dos mais diferentes povos, que sequer tinham contato entre si. Essas histórias, passadas de geração em geração, tinham em comum a distribuição similar das ações ao longo do texto, o que é intuitivamente compreendido e apreciado pelo ser humano desde as mais antigas eras até os dias atuais.

O primeiro a codificar essa estrutura narrativa e estabelecer um modelo para ela foi Aristóteles. Ele dividiu a trama em três atos. O primeiro introduz os personagens, mostra-os em seu mundo comum e apresenta os problemas que o protagonista (e talvez outros mais) terá que resolver. O segundo ato mostra o caminho percorrido pelo protagonista para alcançar seus objetivos, os obstáculos, desafios, dificuldades e perdas. O terceiro e último ato concentra-se em mostrar como o problema foi resolvido e o protagonista voltando ao seu mundo comum com a recompensa. Basta uma olhada rápida em algum mito ou lenda para perceber que, mesmo sem terem nenhum conhecimento teórico sobre o assunto, nossos antepassados sabiam muito bem como contar uma história. Então, se queremos exercer sobre nossos leitores o mesmo fascínio que as histórias antigas até hoje exercem sobre nós, que tal dedicarmos algum tempo para montar uma estrutura que irá ajudar a despertar neles as emoções desejadas?

2. Fisgue seu leitor imediatamente.
Não dê chance para que o leitor possa aventar a possibilidade de largar o seu livro e não voltar mais a ele. É preciso que ele se sinta fisgado, absolutamente envolvido, desde o primeiro momento e não pense em parar de virar as páginas. Um dos elementos fundamentais a serem utilizados na abertura para garantir esse efeito é o “gancho”. Ele pode estar logo na primeira frase ou nas seguintes, mas deve suscitar a curiosidade do leitor, levantar uma (ou mais) pergunta que espera ver respondida no desenrolar da história. Por exemplo: “Faz um ano que matei meu psiquiatra e tornei-me um milionário”. Ao ler esta primeira frase, o leitor ficará intrigado com a relação – se é que existe – entre o fato de o personagem ter matado o psiquiatra e tornado-se milionário. Por que terá ele matado o psiquiatra? Como tornou-se milionário? Essas e outras questões suscitadas pelo gancho irão garantir a continuidade da leitura.

3. Use “assinaturas” para compor os personagens. 
Um dos pilares de uma boa história é a presença de personagens fortes e memoráveis. Grande parte do processo criativo consiste, portanto, em desenvolver personagens “reais” – e não apenas os protagonistas. Isso é necessário para que o leitor crie empatia por eles e queira continuar acompanhando sua jornada. 

Há diversas formas de construir personagens críveis e memoráveis, e uma delas é o uso de “assinaturas”, o que ajudará o leitor a lembrar-se mais facilmente de cada um. Fazendo uma analogia com a vida real, quando conhecemos uma pessoa pela primeira vez notamos sua forma física, seu rosto, modo de se vestir, de falar e outras características marcantes. É isso que precisamos fazer com os personagens: dar-lhes características marcantes, únicas, dentro da história. Algumas sugestões que você pode usar no seu próximo livro são: um tique nervoso, um jeito extravagante de se vestir, um problema de fala ou um cheiro peculiar.

4. Show, don't tell
Um conceito inglês amplamente difundido em criação literária é o de “show, don't tell”, que significa “mostre, não conte”. A ideia é que, em vez de descrever, você mostre a situação. Isso tornaria a narrativa menos óbvia e mais envolvente. Por exemplo: em vez de dizer “Maria estava faminta”, mostre “Maria não pôde evitar salivar ao passar em frente ao restaurante, ao mesmo tempo em que tentava disfarçar o ronco que saía de seu estômago há tanto sem comida”. No caso de uma paisagem, a diferença está entre dizer “Nevava forte na cidade” e mostrar “Pedro esforçava-se para manter-se aquecido dentro da pouca roupa que lhe restara, enquanto ao seu lado crianças envoltas em gorros e cachecóis construíam os mais horrendos bonecos de neve que já vira”.


***

Gostou? Então aproveite e leia outras dicas que a Ronize nos contou em seu tour. Recomendo todas.

4 falácias sobre alta literatura X baixa literatura que você precisa conhecer;
10 passos essenciais para escrever um livro infantil;
7 benefícios da leitura para crianças que você deveria conhecer;
10 dicas de escrita criativa que irão alavancar o seu texto;
7 atitudes que novos autores deveriam cultivar;
7 heróis da literatura infantojuvenil que você deveria conhecer;
Top 10: infantojuvenis brasileiros que não podem faltar na sua estante; e
4 coisas que você deve saber sobre a publicação de livros infantojuvenis no Brasil.

E para quem gosta das listas desta moça, sugiro uma visita ao seu blog (www.ronizealine.com). Olha só o que achei por lá:

6 coisas que devem constar no início do livro;
Blog tour: 6 coisas que você precisa saber;
101 maneiras de se tornar um escritor melhor em 2014;
Escreva como Humberto Eco: 6 técnicas para construir um romance;
7 dicas para criar conflito;
14+ motivos para ir à Primavera dos Livros;
9 dicas para escrever um romance de fantasia;
8 lugares imaginários da literatura;
20 regras para escrever um romance policial;
7 motivos para ir à Bienal do Livro;
5 super-heróis para se inspirar;
O Poderoso Chefão e outras 13 aberturas instigantes;
9 títulos originais que foram descartados;
5 vilões para se inspirar;
6+ coisas que aprendi na FLIP; e
10+ dicas para conseguir boas ideias.

No lançamento de "Anete, nariz de chiclete"
Foto de Ana Gonzalez

1 comentários:

Ronize Aline disse...

Obrigada, querido, pela recepção carinhosa e por abrir suas portas para Anete.
Beijos,
Ronize Aline

Postar um comentário